A água é um recurso natural fundamental para a sobrevivência de todas as espécies que habitam a Terra. Diante do rápido crescimento da população, os efeitos na qualidade e na quantidade da água disponível já são evidentes em várias partes do mundo.

De acordo com dados do Banco Mundial, até 2050, mais de um bilhão de pessoas viverão em cidades sem água suficiente. À medida que a população aumenta, também cresce a necessidade de abastecimento. Já o Relatório Mundial das Nações Unidas sobre Desenvolvimento dos Recursos Hídricos alerta que o mundo irá enfrentar um déficit hídrico de 40% em 2030, caso nenhuma ação seja tomada.

Entre as principais causas da diminuição da água potável estão o crescente aumento do consumo, o desperdício e a poluição das águas superficiais e subterrâneas por esgotos domésticos e resíduos tóxicos provenientes da indústria e da agricultura, segundo o Ministério do Meio Ambiente (MMA).

Mundialmente, a agricultura é responsável por cerca de 70% do total do consumo de água doce e, na maioria dos países subdesenvolvidos, esse índice chega a 90%. O Brasil registra também elevado desperdício: de 20% a 60% da água tratada para consumo se perde na distribuição, por causa das condições de conservação das redes de abastecimento.

Projetos da Engenharia Civil para o reúso da água

Diante desse cenário, os engenheiros civis têm estudado alguns caminhos possíveis para gerar uma economia significativa de água nas atividades agrícolas, industriais, comerciais, de serviços e residenciais.

Existem diversos conjuntos de ações para diminuição do consumo, como:

-Educação ambiental;

-Conscientização pela economia;

-Racionalização do consumo através de aparelhos mais eficientes;

-Reuso de água;

Dentre as atividades citadas acima, a Engenharia Civil atua mais diretamente nos dois últimos tópicos, pois desenvolve para as obras aparelhos que consomem uma quantidade menor de água, tais como: bacia sanitária com caixa acoplada (três e seis litros), torneiras e chuveiros com aeradores, pressurizadores etc.

Esses profissionais também criam projetos para o reuso de água por meio de captação, direcionamento, armazenamento e distribuição de água de chuva para uso em atividades que não exijam água potável, como limpeza de pisos e veículos, rega de jardins, descarga em bacia sanitária, entre outros.

“O princípio do reuso de água de chuva está no aproveitamento através da captação da água que cai na cobertura (telhado) e calhas, sendo direcionada imediatamente para um filtro de sólidos que separa alguns sedimentos e as folhas para o armazenado em uma caixa ou tanque apropriado para essa finalidade”, esclarece Alexandre Dias Martins, Engenheiro Civil dos Correios. “Depois, essa água é distribuída conforme as necessidades nas bacias sanitárias, torneiras para rega de plantas e limpeza de pisos e veículos”, explica ele.

Para dar um exemplo na prática, Alexandre explica que uma residência com uma família de quatro pessoas consome aproximadamente 600 litros de água por dia, sendo que desse total 40% são para atividades que não necessitam de água potável, ou seja, aproximadamente 240 litros podem ser do reuso de água da chuva. Considerando que essa residência tenha uma cobertura de 100m², é possível armazenar essa água para todo esse consumo em um reservatório de 5.000 litros, e utilizar conforme as necessidades do dia a dia da família. “Além da sustentabilidade, podemos gerar uma economia na conta de água, pelo menor consumo, já que levando-se em conta que o valor médio do m³ da água em Bauru é de R$5,00, a economia gerada em um ano ficaria em torno de R$432,00”, completa o engenheiro.

Engenharia Civil em Bauru

Uma das profissões mais valorizadas do Brasil, a Engenharia Civil é capaz de melhorar a relação entre a sociedade e o ambiente em que ela vive.

As Faculdades Integradas de Bauru (FIB) estão com inscrições abertas para o vestibular agendado em Engenharia Civil e para outras 18 graduações. O curso conta com aulas práticas e visitas técnicas. Além disso, dispõe do Complexo de Laboratórios, com equipamentos modernos e altamente didáticos e utiliza softwares específicos para a Engenharia Civil no laboratório de Informática desde o primeiro semestre do curso.

O principal destaque do processo seletivo 2019 da FIB é oferecer aos candidatos a opção de um parcelamento de até 70% do valor da mensalidade. Neste caso, o aluno pagaria 30% do valor da mensalidade e os 70% restantes após o término do curso. O Parcelamento Estudantil FIB (PEF) é realizado diretamente na faculdade.

Além disso, disponibiliza bolsas pelo Programa Universidade Para Todos (Prouni), Programa Escola da Família e conta com o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

O candidato classificado no vestibular poderá efetivar a matrícula na instituição mediante o pagamento de R$100,00. O restante da 1ª mensalidade poderá ser parcelado em até três vezes.

Outras informações sobre o vestibular da FIB estão disponíveis no site da instituição ou pelos telefones (14) 2109 62 06 ou (14) 9 99822-3829 (WhatsApp).

Serviço
www.fibbauru.br
Local: FIB. Rua José Santiago, quadra 15, Jardim Ferraz.
Informações: (14) 2109 6206 ou pelo (14) 9 9822 3829

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Amanda Araújo
Carregar mais em Geral

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

USC disponibiliza vagas remanescentes em vestibular agendado

Para os alunos que estão procurando uma formação superior para o ano de 2019, a Universida…