bauruense-alasca9

Thais Amadei Pegoraro é coach e ganha a vida dizendo para os outros correrem riscos. Mas nada disso faria sentindo se a própria não fosse atrás dos seus sonhos. Foi exatamente por este motivo que a bauruense decidiu, há quase dois anos, que iria fazer uma expedição para escalar o ponto mais alto da Antártica, o Maciço Vinson, que tem cerca de 4.892 metros.

Em um dia de descanso em um hostel durante a sua expedição, Thaís conversou com a equipe do Social Bauru e falou sobre os desafios que já enfrentou até agora, como encarar a temperatura de 32 graus e esperar, ansiosamente, o tempo melhorar para seguir com sua viagem.

“Eu não sou uma pessoa muito paciente e ficar esperando sem ter um ‘norte’, sem saber o que iria acontecer, foi complicado. Para se ter uma ideia, dos 22 dias que eu fiquei no continente antártico, foram seis dias na montanha e todos os outros foram só de espera. Mas o tempo todo eu ficava resgatando o sentido de tudo aquilo e o que eu estava fazendo ali. Você não pode deixar a impaciência e a ansiedade da mente vencerem o propósito maior que, no meu caso, era viver a experiência de tudo aquilo e conquistar a montanha”.

Para ela, o mais importante não foi escalar e chegar até o cume, mas toda a trajetória até atingir o ponto principal e tudo o que aprendeu durante o caminho. “Não é o cume que faz o esforço valer a pena, é o aprendizado. Tudo o que eu aprendi nessas últimas quatro montanhas equivaleram há muitos anos da minha vida.”

Confira:

Como você se preparou para esta viagem?
Thaís: Eu me preparei de algumas formas: primeiro, fiz o planejamento obre as datas, os recursos necessários, o grau de dificuldade e os equipamentos. Também me preparei com treinos físicos, além do preparo emocional e financeiro. Estou fazendo tudo isso desde agosto de 2014.
 
 
E por que você decidiu fazer esta viagem?
Thaís: Em fevereiro de 2014, eu decidi me preparar para me tornar coach de executivos e empresas. Para isso, eu precisei me submeter a vários cursos e estudar muito. Aí, durante este processo, surgiu o resgate de um sonho de infância que era escalar o Monte Everest – retomei este sonho, com o plano de escalar o Sete Cumes e trazer mais lógica para o meu trabalho de coach de executivos. Não basta só falar que a pessoa tem que sonhar e pensar alto; eu também tinha que fazer isso e viver os desafios na minha vida pessoal.
 
 
Como você montou o roteiro?
Thaís: Para fazer o roteiro, eu precisei investigar a sazonalidade das montanhas. Não posso escolher ir para montanha a qualquer momento. Somente quando existe o clima perfeito e a ‘janela de oportunidade’. Aí, eu embarquei para o Chile no dia 14 de dezembro do ano passado para em Puntarena, local onde foi feita a reunião com a empresa responsável por toda a logística e por levar os passageiros até a Antártida. Depois, esperei até o dia 18 para pegar um avião e ir até Union Glacier, que é a primeira parada no continente antártico para quem chega, independente se se a pessoa é um cientista, militar, escalador ou se vai só para visitar o polo sul. Todo mundo pega um avião russo em Puntarena e vai até Union Glacier. Aí, na Antártida, a primeira parada foi na Union Glacier que tem uma boa estrutura para a recepção para as pessoas que chegam, com cozinha, barraca grande, refeitório, banheiro e chuveiro para tomar banho de balde. Lá, é um balde por pessoa e o ideal é que você tome banho a cada dois ou três dias para preservar o ambiente que é muito selvagem. Todo cuidado é tomado para essa preservação, desde a esterilização dos nossos sapatos até os equipamentos, antes de a gente pousar no continente. Aí, voamos mais uma hora até o Maciço Glacier para começar a escalada. Ali, aguardamos mais um tempo para puxar os trenós com todos os equipamentos necessários para a sobrevivência. Puxamos o trenó do Maciço até o Low Cap, onde preparamos uma mochila e escalamos até o High Cap, e ficamos esperando até a oportunidade de fazer a travessia até o Cume.
 
+ Bauruense comenta sobre possível viagem a Marte
+ Advogado faz viagem internacional gastando apenas 60 reais por dia
+ Modelos de Bauru contam história de amor que começou na China
 
Durante esse tempo de preparação, sentiu vontade de desistir? O que sempre te deu força?
Thaís: Eu nunca senti vontade desistir e o que sempre me deu força foi a convicção de que a parte mais difícil da vida é a gente viver essa este tipo de desafio. Eu não posso me posicionar junto ao meu cliente, dizendo que ele deve viver novos desafios e sonhos, alcançar novos objetivos, se eu não consigo fazer isso na minha própria vida. Pensamentos, ações e palavras nos dão uma força impulsionadora muito grande. Além disso, a comunhão com as pessoas – todo mundo que sabia deste meu sonho, me ajudou muito com palavras e até com sorrisos. Isso me deu muita força. Claro que que treinar oito vezes por semana não foi fácil, comer 4.500 calorias por dia tenha sido tranquilo – às vezes eu era obrigada a comer mesmo sem fome.
 
 
Quais as dificuldades da viagem?
Thaís: Especificamente no Maciço foi a temperatura que era constante de menos 32. O meu corpo sentiu muito, a respiração e a mente também. Parado ou dormindo, você perde muita energia por causa do frio. Para o corpo se manter a 36 graus com um ambiente a menos 32 é necessária muita caloria. Sem contar que estar na Antártida e esperando a ‘janela de oportunidade’ foi bastante desafiador. Eu não sou uma pessoa muito paciente e ficar esperando sem ter um ‘norte’, sem saber o que iria acontecer, foi complicado. Para se ter uma ideia, dos 22 dias que eu fiquei no continente antártico, foram seis dias na montanha e todos os outros foram só de espera. Mas o tempo todo eu ficava resgatando o sentido de tudo aquilo e o que eu estava fazendo ali. Você não pode deixar a impaciência e a ansiedade da mente vencerem o propósito maior que, no meu caso, era viver a experiência de tudo aquilo e conquistar a montanha.
 

 
E qual a sensação de atingir o objetivo?
Thaís: Olha, a sensação de atingir o Cume, por mais curioso que seja, foi de pressa no sentido de querer descer dali o mais rápido possível. O tempo estava muito feio, com muito vento e frio – quase cancelamos a expedição a 25 metros do Cume pelo risco de congelamento das extremidades. Quando o tempo abriu e tivemos a chance de chegar, o que eu mais queria era sair rápido dali e evitar qualquer tipo de perigo ou que a gente ficasse preso a um tempo pior. O que eu posso concluir com isso é que o que mais vale a pena é sempre a jornada: é o preparo e estar lá. Poder usufruir daquele ambiente tão selvagem e intocado que é o Cume em si foi só a consequência de um bom trabalho.
 
 
E valeu a pena?
Thaís: Não é o cume que faz o esforço valer a pena, é o aprendizado. Tudo o que eu aprendi nessas últimas quatro montanhas equivaleram há muitos anos da minha vida. Foi pouco tempo da montanha, mas o desgaste foi muito intenso, físico ou emocional. Então, este aprendizado foi o que fez tudo isso valer a pena. Eu tenho aprendido a cada montanha que o cume é a consequência de foco, disciplina e entrega. No final, o que vale a pena mesmo, é o aprendizado.
 
 
Você teve que abandonar algo para seguir com o projeto?
Thaís: Não tive que abandonar nada, só precisei organizar muito bem a minha rotina e os meus horários. Eu treinei muito durante a semana e por isso tive que organizar o meu trabalho. Hoje eu tenho a minha empresa de coach com processos que são cíclicos, duram de dois a três meses, então eu consigo fazê-los caber entre uma expedição e outra. Não tive que abandonar emprego – muito pelo contrário – hoje é o meu trabalho que suporta e subsidia todas as minhas expedições. Infelizmente, eu não tenho patrocinador. Até busquei muitos, inclusive na região de Bauru, mas o momento do mercado não é o mais favorável para isso – ainda que esteja aberta para encontrar alguém que me ajude a subsidiar parte da expedição para o Everest que é a mais cara.
 
 
Neste momento, o que você mais está sentindo falta de Bauru?
Thaís: Acho que é andar de chinelo Havainas na rua e sentir o calor; estar com as pessoas falando em português – aqui eu só falo em espanhol e inglês – da Felipa, que é a minha cachorra, e das pessoas da minha família que sempre me fazem lembrar de onde eu vim, torcem muito por mim e pelo sucesso do projeto. E eu espero que essas palavras possam incentivar as pessoas a se moverem em direção aos seus sonhos e a darem o primeiro passo para atingir qualquer objetivo. Espero que o ano de 2016 seja transformador.

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Amanda Araújo
Carregar mais em Comportamento
...

Verifique também

Professores de Bauru dão dicas de como manter uma rotina de estudos em casa durante a quarentena

O período de quarentena tem trazido grandes mudanças na rotina de estudos dos alunos. Com …