Passar um tempo brincando com o seu cachorro ou, pelo menos, em contato com ele pode ser muito prazeroso. Além do lazer, essa interação ainda pode ajudar no tratamento de idosos e crianças. Assim surge a Pet Terapia, com o propósito de desencadear bem-estar, saúde emocional, física, social e cognitiva.

Segundo um artigo publicado na Revista de Medicina, esse tipo de terapia estimula tanto o aspecto físico quanto o emocional da pessoa. Por isso, o objetivo da atividade é melhorar a qualidade de vida e acelerar os processos de recuperação.

Os pets bauruenses também entraram na onda da pet terapia. A Pandora, uma Golden Retriever, visita os alunos da Associação dos Familiares Amigos e Pais dos Autistas de Bauru (AFAPAB) duas vezes por semana! Apesar de não ter um viés focado na recuperação, o contato entre a cachorra e os alunos se mostram benéficos.

Para o coordenador pedagógico e professor, Luan Henrique de Jesus da Costa, o contato entre a cachorra de nove meses e as crianças tem se mostrado positivo. “Você vê que esse contato é diferente do contato humano, que é sempre muito invasivo. O da Pandora não, porque ela não apresenta uma demanda para eles, flui de uma forma mais suave. Ela está sempre ali e eles interagem no tempo deles, ela respeita esse tempo, é uma vivência muito saudável. Então é muito bom para as crianças”, afirma.

Pandora com sua dona, Nathalia Merino, e o coordenador pedagógico e professor da AFAPAB, Luan Henrique de Jesus da Costa

Pandora: a cachorra terapeuta

A Pet Terapia é um trabalho solidário em que os donos e os cachorros não ganham nada em troca. E a habilidade da Pandora em ser voluntária foi herdada da sua “mãe”, Nathalia Merino. A bauruense conta que sempre participou do Lions Club Falcão, que possui um projeto de Pet Terapia. E foi assim que ela resolveu aderir à causa.

Outro motivo que incentivou Nathalia transformar a Pandora em um cão terapeuta foi a habilidade com as crianças. “Eu vou todo domingo com ela na Getúlio e lá tem o Fofo Down, um bebê de um aninho que tem Síndrome de Down. Ele morria de medo de cachorro, com a Pandora ele foi apoiando o pé aos poucos e, a cada atitude dele com ela, era uma vitória para os pais”, diz.

Entretanto, a Golden Retriever passou por um treinamento antes de começar as visitas nas instituições. Pandora é acompanhada por um adestrador desde quando ela tinha apenas três meses. Segundo Duval Ramos, adestrador há 35 anos, a cadela iniciou o adestramento com o trabalho de obediência.

“O adestramento busca moldar o comportamento do cão de acordo com nossa necessidade. A maneira de treiná-la [para a pet terapia] não mudou, apenas os comandos são utilizados de acordo com a necessidade exigida. O temperamento dela aliado a um excelente caráter e ao manejo que recebe da família possibilitaram que ela se tornasse um cão terapeuta”, explica.

Os planos da Nathalia para a Pet Terapia continuam em 2020. Já no mês de janeiro, a Pandora também começará a visitar a APAE-Bauru.

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Juliana Oba
Carregar mais em Geral

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Conheça três iniciativas bauruenses que estão ajudando empreendedores da cidade em tempos de coronavírus

Devido às medidas de isolamento em vigência em Bauru, que também foram adotadas por inúmer…