Muitas plantas e um caminho de pedras com fonte de água levam ao estúdio de tatuagem da Cintia Cavalcanti. O lugar reservado representa a intimidade que a artista tem com as mulheres que recebe. Esse relacionamento próximo é construído após muito diálogo para entender o momento e a expectativa de cada uma com a tattoo.

Mulheres que querem cobrir uma cicatriz, pessoas mais velhas com o desejo de fazer a primeira tatuagem e, principalmente, quem se identifica com o trabalho sensível da artista. Cintia já se deparou com estas e muitas outras histórias que contribuíram para criar um jeito especial de trabalhar.

Além disso, a experiência própria incentivou-a a oferecer o que ela queria que oferecessem para ela. “Fui fazer a minha primeira tatuagem e achei que tinha que ter festinha, mas não teve. O cara fez e pronto. Eu queria ser especial naquele momento especial”, relembra.

Por isso, a atenção com os detalhes é primoroso durante todo o processo. Primeiramente, é necessário explicar qual a ideia da tattoo, enviar referências e onde quer tatuar. A partir disso, Cintia faz os desenhos baseados nas ideias e os insere na parte do corpo escolhido, por meio do Photoshop, e envia para a cliente. Desenho e local decididos, é hora de marcar o grande dia.

Ao chegar no estúdio, a música traz calma e o café dá as boas vindas. Durante o procedimento, Cintia questiona se está tudo certo em relação ao bem-estar de forma geral. Ao finalizar a tatuagem, todos recebem um kit de cuidados com pomada natural de karité, cupuaçu e cacau para passar na tattoo, sabonete neutro e antisséptico para lavar. Ah, sem esquecer do chocolate para adoçar a vida após o procedimento.

Por fim, o pós-procedimento é sempre recheado de dúvidas. Por isso, Cintia faz o acompanhamento durante os três dias seguintes à sessão. “Principalmente as mulheres que fazem a primeira tatuagem, têm dúvidas quanto à cicatrização, escamação, vermelhidão. Então fico à disposição para responder qualquer tipo de dúvidas imediatamente”, esclarece Cintia. Dessa forma, a tatuadora consegue transmitir mais tranquilidade para quem nunca passou pela experiência.

Arte marca histórias

Depois de praticar no marido, no irmão e até nela mesma, Cintia recebeu o seu primeiro pedido de tatuagem. Era uma menina que havia passado por uma cirurgia na barriga que a deixou com uma cicatriz de 54 cm. Com isso, vieram a vergonha e a baixa autoestima.

Portanto, a ideia era tatuar a área marcada. Assim fez a tatuadora, que cobriu a cicatriz com flores de cerejeira. Com o resultado, a artista conta que encontrou um propósito. Mais do que tatuar, ela deseja que seu trabalho tenha um sentido para as pessoas.

Elas saem daqui muito felizes, faz muito bem para a autoestima, porque tudo o que tenho feito tem significado. Eu contribuo com o processo de cuidados consigo mesma que é tão necessário”, aponta. 

Hoje, Cintia já transformou muitas outras cicatrizes em arte, como a da Camila Fonseca, por exemplo. Há seis anos a bauruense sofreu um acidente de moto que a deixou com uma marca na perna e trouxe muita insegurança e diminuiu sua autoestima.

Camila sempre pensou em cobrir a cicatriz, mas não queria chamar a atenção, nem com a tattoo nem com a marca. Foi quando conheceu o trabalho de Cintia e se encantou pelos detalhes. No entanto, a decisão de fazer a tatuagem veio com o atendimento.

“Chamou a atenção o olhar dela para a história, para a personalidade e para os interesses do outro. Ela me fez perguntas que talvez outros lugares não fariam. O que eu gostava, qual era o meu objetivo. Desde o começo eu senti esse cuidado, esse carinho, o estudo e empenho em dar opções. Eu me senti segura para escolhê-la”, comenta. 

Sobre o resultado da tatuagem, Camila revela ter sido libertador. “Eu não treinava de short, eu não saía de saia. Antes eu queria esconder e hoje eu quero mostrar. Se eu falar que é em cima de uma cicatriz, a pessoa não percebe, então eu desfilo ela pra todo lado.”

Sensibilidade em cada detalhe

Focada em tatuar elementos da natureza e botânica, toda essa sensibilidade começou atrair um público específico. Embora também atenda homens e mulheres mais jovens, Cintia tatua, principalmente, mulheres de 30 até 75 anos!

Inclusive, esse viés de trabalho chamou a atenção de Priscila Gobatti, de 48 anos. Moradora de São Paulo, ela veio ate Bauru para tatuar com a Cintia. Diante de uma experiência ruim em 2004, a paulistana decidiu fazer uma nova tatuagem após 14 anos por se sentir à vontade e segura com a tatuadora.

Aperte o play e ouça como foi a experiência de Priscila.

Com sua Jasmin Árabe no braço, ela comenta: Eu não canso de olhar. Ficou discreta, é como se eu tivesse carregando uma obra de arte.”

50 anos, tatuadora

Antes de se tornar tatuadora, que ocorreu em 2019, Cintia teve uma vasta carreira como designer. A mudança para Bauru se deu para estudar Desenho Industrial na Unesp. Antes mesmo de se formar, ela foi contratada na Tilibra, onde trabalhou por nove anos. Empresas como Editora Abril, Warner e Garotas do Brasil também constam no currículo.

Além disso, criou uma empresa de comunicação chamada Od. Durante 12 anos, ela relata que passou de ilustradora para “administradora de problemas”. Insatisfeita, chegou um ponto em que ela passou a ser sua própria concorrente.

O que me levou para este caminho era criar e ilustrar. Eu não escolhi administrar, eu fazia tudo menos arte. Comecei a pegar freelas contra a Od.” Esse foi o ponto de virada para Cintia.

Com o incentivo do irmão, ela começou a pesquisar, fazer cursos e estudar a arte de tatuar. Descobriu como fazer isso sendo verdadeira consigo mesma e escolheu atuar com um estilo mais sensível e maduro. Portanto, a mudança de carreira, em plenos 50 anos, foi uma forma de recomeçar.

“Por causa dos meus desenhos, eu consegui fazer uma faculdade, entrar em uma empresa grande, ter a própria empresa e me tornar administradora de problemas. Mas não tenho orgulho, porque eu não nasci pra isso, eu nasci pra fazer arte. Esse foi um caminho que eu encontrei para realizar a Cintia, eu sou feliz fazendo isso”, finaliza.

publieditorial

Serviço
Flores do Brasil Design
Telefone para contato: 14 99603- 7238
Instagram: @cicavalcantitattoo

Compartilhe!
Carregar mais em Geral

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

XXIV Semana de Engenharia da Unesp acontece entre os dias 29 de novembro e 3 de dezembro

A Semana da Engenharia da Unesp de Bauru (SEMENG) é um evento anual que atrai a atenção do…