A ideia de ecomuseu é relativamente nova e se refere a um conceito de museu a céu aberto. Foi nesses parâmetros que o Museu do Café de Piratininga começou suas atividades, em 2014.

Localizado a 13 km de Bauru, o museu está na Fazenda São João e é uma opção de passeio para toda a família. Além do espaço rural, o Museu do Café também conta com patrimônios arquitetônicos e um museu de ciências.

“Mais do que um museu histórico, a gente propõe um museu de ciências, voltado à educação científica, ambiental e à educação para a sustentabilidade. Tudo isso inclui o conceito de museu a céu aberto ou ecomuseu”, explica Guilherme do Amaral Carneiro, um dos proprietários da fazenda.

5 motivos para visitar o ecomuseu

1- Patrimônio arquitetônico
Além da construção que abriga o museu, os visitantes ainda podem ter contato com materiais que remetem à época da produção do café. Portanto, os visitantes podem conferir como funciona uma antiga fazenda de café e como ela age nos moldes atuais de produção. Além da produção agroecológica e orgânica que está sendo introduzida no espaço.

“Temos uma série de materiais como a máquina da tulha, onde fazia a beneficiamento do café. Temos uma máquina centenária de peroba rosa, com valor histórico considerável”, explica Guilherme.

2- Conhecimento
O Museu do Café conta com uma equipe multidisciplinar de biólogos, geógrafos e pedagogos. Dessa forma, estes profissionais oferecem o conhecimento para quem for visitar. Assim, o museu é voltado para a educação científica, educação ambiental e para a sustentabilidade.

“Temos muitas atividades que envolvem esses temas. Então fazemos roteiros que integram as questões históricas e ambientais. Queremos ensinar sobre o passado, rever a exploração humana e a degradação ambiental para poder ter um futuro mais sustentável e humano. Essa é a nossa missão”, revela o idealizador do museu.

3- Importante espaço geográfico e ambiental
A fazenda que abriga o museu está localizado na Cerra da Jacutinga, um divisor de águas entre o Rio Batalha, que vai para o Rio Tietê, e o afluente do Rio Turvo, que vai para o Rio Paranapanema.

4- Ecologia
O ecomuseu também conta com atividades ao ar livre como trilhas ecológicas, acompanhadas por biólogos. Durante o percurso é possível encontrar cachoeiras, quedas d’água e muitas surpresas, como pegadas de animais silvestres. Ainda no sentido ambiental, o museu abriga um acervo com pegadas de animais em gesso, ossos e animais empalhados.

Mas também tem animais vivos no Museu! O local conta com tucanos, papagaios, maritacas e até cobras. “Somos um espaço que tem parceria com a polícia ambiental da região de Bauru. Então eles fazem a soltura imediata de animais do tráfico aqui na fazenda. Nós atestamos a soltura deles aqui na fazenda, caso não tenham condições para isso, nós cuidamos deles”, diz Guilherme.

5- Fazendinha
Segundo os proprietários, a atividade que mais chama a atenção das crianças são as atividades com os animais como leitão, carneiro, podendo até tirar leite da vaca.

Vale a pena visitar!

Quem não perdeu a oportunidade que é ter um espaço como o Museu do Café pertinho de onde mora, foi a bauruense Nathalia Assis. Surpreendida com local, ela contou para o Social Bauru como foi a experiência do passeio.

“Fui para conhecer um lugar novo que tem a vivência com o campo e com a natureza, foi muito agregador. Nós fizemos a trilha, acompanhados por um biólogo, que foi falando sobre o lugar e a história. Outra coisa que me surpreendeu bastante foram as cachoeiras e o lugar para servir o café da manhã, que foi maravilhoso”, relembra Nathalia.

Ela ainda ressalta a preocupação com a preservação do espaço e a educação.

“A fazenda tem esse compromisso, além de ser turístico, tem a questão da educação. O mais interessante é o processo de manutenção do museu e do compromisso com a memória, que temos deixado de lado. Então ele cumpre com o papel de museu muito bem. Recomendo todo mundo a ir lá”, diz.

Antes do Museu do Café de Piratininga

A Fazenda São João, que abriga o Museu do Café, foi adquirida pelo avô de Guilherme em 1960 e é propriedade da família desde então. A história da fazenda começou muito antes, no início do século XX e foi uma das primeiras a produzir café, fazendo parte também da ocupação do centro-oeste paulista.

Foto: Nathalia Assis

Antes de virar um museu, ela foi espaço para a produção de café durante 30 anos. A partir da década de 90, a criação de gado e a cana tomaram o lugar do café. Hoje em dia, uma parcela da área da fazenda também está arrendada para a plantação de eucalipto.

De uma área de 600 hectares, 40 alqueires não está arrendado. Essa é a parte histórica do local, onde se encontra a sede e o espaço que abriga a toda a história da fazenda.

Para o feriado

O Dia das Crianças é nesta sexta-feira (12) e o Museu do Café de Piratininga está preparando atividades especiais para as crianças e toda a família.

Na sexta, o museu organiza o “Lá vou eu no museu” com oficinas de argila e brinquedos artesanais, além de trilhas e visitas monitoradas. Já no sábado (13), o evento é com a Casa do Circo, que irá apresentar atividades circenses para as crianças.

Os eventos são das 09h30 às 13h30 com entrada de R$10,00 (idosos e crianças até 10 anos pagam R$5,00). Para quem deseja tomar café da manhã no Museu do Café (das 09h às 12h), será cobrada a entrada mais R$20,00.

Serviço
Museu do Café de Piratininga
Local: Rodovia Engenheiro João Baptista de Cabral Rennó, km 248
Horário de funcionamento: sábado, das 9h às 15h, sem necessidade de agendar. Nos demais dias, inclusive domingo, funcionamos sob agendamento, conforme horário do interessado

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Juliana Oba
Carregar mais em Geral

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Hortas em casa: dicas para os bauruenses cultivarem temperos e muito mais!

Hortas sempre foram muito comuns, mas hoje em dia, por conta do grande crescimento das cid…