Ver obras regionais ganhando destaque e reconhecimento Brasil afora é uma satisfação imensa. Aqui em Bauru, o publicitário Deyvid César e o graduando de História Tobias Terceiro são diretores do curta-metragem Ninguém solta a mão de ninguém“. Eles estão representando a cidade no 13° Encontro de Cinema Negro “Zózimo Bulbul” – Brasil, África, Caribe e outras diásporas.

O documentário da dupla foi um dos selecionados para o festival, promovido pelo Centro Afro Carioca de Cinema, que vai até o dia 30 de outubro. Serão apresentados mais de 100 filmes nacionais e internacionais, além da realização de cursos gratuitos e virtuais. Ainda, será realizada uma premiação de projetos destinada a roteiristas, que oferecerá consultoria e bolsas. 

O documentário bauruense será exibido – uma única vez – nesta quarta-feira, 28 de outubro, às 15h30, na “Sessão Brasil”. Porém, ficará disponível durante todo o período da sessão, que tem três horas de duração.


Foto: Divulgação

O Encontro de Cinema Negro “Zózimo Bulbul” ocorre na cidade do Rio de Janeiro desde 2007, reunindo diretores, cineastas e amantes do cinema negro. Nesta edição online, tem o objetivo de desafiar o público a trilhar caminhos que permitam colocar o suporte tecnológico e as conexões virtuais a serviço do afeto. 

A edição virtual do festival poderá ser acessada gratuitamente pela plataforma innsaei.tv, mediante um rápido cadastro. 

Carnaval bauruense é tema central  

Em fevereiro deste ano, a suspensão do repasse da verba da Secretaria de Cultura para as escolas de samba e blocos para o Carnaval pegou muitas pessoas de surpresa. 

Entre elas, Tobias Terceiro, membro da agremiação carnavalesca, o Estação Primeiro de Agosto. Sua vivência dentro da associação, somada às adversidades enfrentadas pela decisão da 1ª Vara da Fazenda Pública de Bauru, consolidaram a ideia de dirigir o curta-metragem “Ninguém solta a mão de ninguém”, ao lado de Deyvid César. 


Foto: Divulgação

Entre os critérios de seleção atendidos pelo filme estão questões técnicas, ineditismo e relevância das temáticas abordadas. Além de equipe de produção diversa e qualidade de som e imagem. 

Ainda, de acordo com Tobias, o curta também demonstrou a possibilidade de se correlacionar com as demais obras no sentido de expor uma circunstância vivencial onde o sujeito negro encare adversidades cotidianas.

Apesar das altas expectativas, o diretor conta que ter a produção selecionada foi uma surpresa. “Nem eu esperaria por um retorno tão rápido em um evento que é um marco no segmento. Já tive a oportunidade de conhecer outros(as) produtores(as) incríveis de todo o Brasil, e saber que minha obra e minha mensagem superaram fronteiras me deixa muito satisfeito”, celebra. 


Foto: Divulgação

Sobre a escolha do tema Carnaval, o diretor também pontua: 

“O Carnaval, como fusão de múltiplas influências é uma manifestação cultural importantíssima a nível nacional e municipal também! O evento é mal interpretado por pessoas que, em sua maioria, já o enxergam de maneira deturpada[…]. Quem vai a um barracão de escola de samba ou bloco não vê uma bagunça. Vê […] famílias inteiras doando seu tempo, seu esforço, cada uma na área com a qual tem mais afinidade. Carnaval é isso, união”, finaliza.


Foto: Divulgação

Confira a sinopse do curta 

22 de fevereiro de 2020, sábado de Carnaval. Primeira noite de desfiles de Carnaval em Bauru, interior de São Paulo. A cidade, com longa tradição carnavalesca – e com sambódromo próprio, o segundo a ser construído no país – passa por uma crise que ganha proporções políticas quando seu acontecimento é ameaçado por uma ação popular cujo objetivo é impedir as comemorações do momo.

Em meio a tudo isso, o Grêmio Recreativo Carnavalesco Estação Primeiro de Agosto – associação que está na categoria “bloco”, mas que tem como objetivo se tornar uma escola de samba – luta com parcos recursos financeiros para desfilar e apresentar um show digno ao público. população local.

Documentário de Bauru é selecionado para Encontro de Cinema Negro
Foto: Divulgação

Ficha técnica 

Direção: Deyvid César – Formado em publicidade e propaganda pela USC, é fotógrafo, cineasta, editor, produtor e fundador da Gorila – filmes. Tobias Terceiro – graduando em História pela Universidade Estácio de Sá, dançarino, coreógrafo e professor de danças populares, produtor cultural e estudante de Direção de Arte.

A produção técnica ainda contou com Gabriel Florêncio, Allison Ferreira, Jonatas Villas, Bruno Montoya; e Bruno Cândido, Danatielly Oliver e Juliana Toledo no elenco.

Documentário de Bauru é selecionado para Encontro de Cinema Negro
Foto: Divulgação

Serviço

Exibição curta-metragem bauruense “Ninguém solta a mão de ninguém”

Data: 28 de outubro, às 15h30
Link: innsaei.tv/#/

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Paula Borim
Carregar mais em Cultura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Jornalista lança livro com histórias sobre o amor usando experiência adquirida em Bauru

O amor é um sentimento recorrente na vida de todas as pessoas, já que se apresenta de vári…