Já pensou em como uma receita é criada? Tem a seleção dos ingredientes, a escolha da temperatura que o prato será servido, apresentação, textura, sabor e aroma, tudo isso para garantir uma experiência completa.

Dessa forma, o desafio dos estabelecimentos participantes do Prêmio Impera é criar uma receita nova, ou seja, o ineditismo é ingrediente obrigatório.

A gente exige que a receita seja desenvolvida exclusivamente para o Prêmio. Assim, todo ano, diferentes estabelecimentos tenham novas chances de ganhar”, explica o idealizador do Prêmio Impera, Vinicius Fernandes.

Com pratos e bebidas exclusivos, o público pode aproveitar o circuito gastronômico até 31 de julho e conferir as opções de seis categorias: Comida de Boteco, Sanduíche, Prato Principal, Pizza, Sobremesa e Drink.

Avaliação gastronômica

Porém, além de agradar os clientes, os restaurantes precisam satisfazer critérios como criatividade, sabor, consistência, aroma e apresentação.

Para avaliar cada uma dessas características, foram escolhidos seis chefs de cozinha de Bauru com especialidades diferentes: Ana Bia, Fernandinho, Francisco Dal Médico, Izabella Borges, Kaito Casagrandi e Mayara Ono.

Além da experiência na profissão, os chefs lançam mão de técnicas para experimentar cada receita. Pessoalmente gosto muito de tomar água com gás e limão espremido, porque eu acho que dá uma boa limpada no paladar, caso eu tenha que experimentar um prato salgado e sobremesa, por exemplo”, comenta Francisco. 

Para Izabella, a avaliação segue três etapas essenciais: “Primeiro experimentar todos os alimentos juntos, para sentir os diferentes sabores, misturas e texturas; depois, provar item por item separadamente para analisar o tempero, sabor, ponto e textura; por fim, conferir se tudo harmonizou”, elucida.

Mas há também quem utiliza de outros artifícios para o trabalho. “Normalmente, faço as avaliações dos pratos depois das refeições. Porque naturalmente quando estamos com fome, nosso cérebro tende a querer saciá-la. Então na minha opinião, tendemos a comer com mais pressa, o que prejudica a avaliação”, reval Kaito.

Conheça os jurados do Prêmio Impera 2023

Ana Bia

Foto: Franciane Faria

Apaixonada pela confeitaria e por um bom risoto, a chef participa como jurada do Prêmio Impera pelo terceiro ano. Formou-se em Gastronomia em 2016, e hoje produz conteúdo para a página Tips by Ana Bia, além de administrar a empresa de doces Acesso Gourmet.

Fico impressionada com a dedicação de todas as pessoas que fazem esse Prêmio acontecer! Muitas receitas especiais, muitos lugares fazendo parte disso e a expectativa de provar receitas inéditas e repletas de sabores está altíssima”, afirma Ana.

  • Segredo do prato de sucesso: garantir a experiência perfeita que envolve a apresentação do prato, atendimento, ambiente e que deixa aquele pensamento “quero voltar aqui, e logo!”.

Fernandinho

Foto: Arquivo pessoal

O profissional é produtor de conteúdo, consultor, chef de cozinha de eventos, e jurado do Prêmio desde a primeira edição em 2019. Segundo ele, a melhor parte de trabalhar com comida é produzir pratos que proporcionam alegria para as pessoas, não só para saciar a fome.

Saber avaliar os pratos vêm com experiência. De tanto experimentar, você vai pegando mais referências e sabendo o que é certo. Na editora, eu fazia degustação e às vezes tinha 15 pratos no mesmo dia. Com duas ou três garfadas, você sente o cheiro, vê a textura, aparência e o sabor“, comenta sobre a avaliação.

Ele ainda acrescenta que a expectativa para esse ano é alta, já que o circuito gastronômico movimenta os negócios e os profissionais da área.

  • Chef conta: simplesmente gosta de cozinhar o que as pessoas gostam de comer.

Francisco Dal Medico

Neste ano, é a primeira vez que Francisco é jurado do Prêmio Impera. “Eu fiquei muito feliz com essa oportunidade porque é uma coisa que fomenta o mercado gastronômico de Bauru”, aponta o profissional.

Foto: Arquivo pessoal

Formado em Gastronomia no ano de 2014, Francisco trabalhou em São Paulo, Bauru e na França. Já foi um dos donos do Joker Bar (desativado), que funcionou de 2016 a 2018 em Bauru. Hoje, é autônomo e se define empreendedor de cozinha. Além disso, é proprietário da confeitaria online Banoffe da Rainha

  • Chef conta: antes de executar a receita, gosta de imaginar todas as técnicas para obter o melhor resultado. Prefere comer pratos criativos e inovadores que o surpreende. Para ele, a melhor parte de ser chef de cozinha é literalmente conseguir observar o próprio crescimento ao longo dos anos.

Izabella Borges

Foto: Arquivo pessoal

Formada em Gastronomia em 2013 na USC (agora Unisagrado) e é o segundo ano como jurada do Prêmio.

Como a melhor parte de ser chef, ela define: “é poder transformar o alimento, é servir uma comida que alguém está com vontade de comer, é satisfazer o outro através de uma satisfação minha. O meu prazer de cozinhar leva o prazer da degustação a outras pessoas”, explica Izabella.

  • Segredo do prato de sucesso: é aquele que desperta os cinco sentidos, que tem perfume, textura, sabor, além da apresentação despertar a curiosidade. 

Kaito Casagrandi

Foto: Arquivo pessoal

Criador de conteúdo digital e consultor, Kaito participa como jurado do Prêmio pelo segundo ano. Formado em Administração de Empresas e pós-graduado em Gestão de Pessoas, ele define que a cozinha o escolheu, sendo um cozinheiro de coração.

É emocionante ver como o circuito gastronômico evoluiu em relação à edição anterior, temos mais estabelecimentos inscritos e o mesmo estabelecimento participando em mais categorias do que na edição anterior. A expectativa é alta”, afirma o profissional.

  • Chef conta: apesar de adorar doces, prefere cozinhar desde salgados, massas e risotos, até peixes e entradas.

Mayara Ono

Foto: Arquivo pessoal

Formada em Gastronomia pela Anhembi-Morumbi, a chef é docente de Gastronomia e Confeitaria, no curso superior de Gastronomia do Unisagrado, e também nos cursos de formação da Escola IGA, ambos em Bauru.

Além disso, é proprietária de uma empresa de doces finos e chocolates sob encomenda, a Amai Gourmet.

Pela terceira vez como jurada, a chef diz que procura explorar todas as nuances da preparação da receita. “Quando identifico outros itens ou tenho dúvidas em relação aos ingredientes ou técnicas envolvidas, gosto de perguntar o modo de preparo daquela receita em questão. Esses detalhes de pré-preparo e bastidores são legais para entendermos um pouco mais sobre o conceito final do prato”, comenta a chef.

  • Chef conta: tem maior preferência por pratos de influência asiática, agridoces, com contrastes de texturas e muitos sabores.

Serviço

Circuito Gastronômico do Prêmio Impera 2023
Data: de 01 a 31 de julho
Saiba mais: www.premioimpera.com.br ou @premioimpera

Compartilhe!
Carregar mais em Gastronomia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Mais de 15 lugares para encomendar a ceia de fim de ano em Bauru

As festas de final de ano são uma oportunidade de juntar a família e amigos em banquetes c…