Originalmente interrompida pelo início da quarentena, a exposição “Dinda Sanson: uma representante da Arte Naïf brasileira em Bauru”, da artista Myriam Therezinha Vanzella Sanson, foi adaptada. Portanto, agora os bauruenses podem conferir os trabalhos em visitas imersivas pela internet.

Para conhecer a exposição, basta acessar o link: https://bit.ly/38H6exS.

A atividade é promovida pela Secretaria de Cultura, por meio da Pinacoteca Municipal de Bauru – Casa Ponce Paz. Além disso, faz parte do Projeto Museus em Casa, que tem como objetivo proporcionar à população uma educação cultural, histórica e patrimonial.

O acervo é o resultado da conservação e do restauro fomentado pelo Programa de Estímulo à Cultura de Bauru, executado pela restauradora Adriana Vera Duarte e proposto por Eric Max Hess.

Conheça mais sobre a Arte Naïf

A Arte Naïf, também conhecida como “arte ingênua”, retrata imagens rurais, cotidianas, festejos religiosos e populares. Principalmente ela é proferida por artistas, em sua maioria, autodidatas, que se pautam na espontaneidade, individualidade e nacionalidade, sem o enquadro em uma tendência artística ou acadêmica.

Ao lado de países como França, Itália, Haiti e ex-Iugoslávia, o Brasil teve uma grande representatividade no estilo, alcançando notoriedade na década de 50.

Quem foi Myriam Terezinha?

Myriam Therezinha Vanzella Sanson, a Dinda, como passou a ser reconhecida, nasceu em 18 de agosto de 1930, em Guarantã (SP). Morando em Bauru, foi uma das primeiras artistas a trabalhar com a Arte Naïf na cidade. Assim, ela atuou como professora no Ensino Infantil, dedicou-se à pintura, iniciando com a porcelana e, posteriormente, desenvolveu a pintura em tela com suas primeiras exposições na década de 80. Em Bauru, seu ateliê localizava-se na rua Gerson França.

Ao longo de sua carreira, a artista plástica expôs em todo o Brasil, participando de diversas exposições coletivas e individuais. Dessa forma, alcançou reconhecimento internacional e suas obras chegaram às galerias da França, Portugal, Estados Unidos, Itália e Japão. Seus quadros estão também espalhados em acervos públicos e particulares, tais como: Museu do Sol de Penápolis; o Museu Primitivista de Assis; Maria Calas Art Gallery em Miami (Flórida/EUA); e South Florida Art Center em Miami (Flórida/EUA).

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Juliana Oba
Carregar mais em Cultura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Artistas e trabalhadores da cultura: cadastro para Lei Aldir Blanc vai até o dia 4 de novembro em Bauru

A Lei nº 14.017, nomeada Lei Aldir Blanc em homenagem ao escritor e compositor que faleceu…