A disciplina positiva é uma abordagem baseada no trabalho do médico e psicólogo Alfred Adler e do psiquiatra Rudolf Dreikurs. Esta filosofia tenta manter uma educação equilibrada, que não seja excessivamente controladora e nem permissiva demais.

As famílias adeptas a este formato têm como base o respeito mútuo, a cooperação, a gentileza e a firmeza, simultaneamente. É dessa forma, segundo os profissionais, que os filhos aprendem as competências da vida.

(Foto: Pexels)

Por que é importante?

A Dra. Mariana Jales Mori, fonoaudióloga de Bauru, também tem formação em disciplina positiva e esclarece a importância dela nos espaços de convivência das crianças, como em casa e na escola.

“Se alguém te perguntar: ‘o que você deseja para o seu filho?’, uma enxurrada de coisas boas virá à sua cabeça, não é mesmo? Tenho certeza que dentre elas estariam: que ele(a) seja uma pessoa responsável, amável, que respeite as diferenças, honesto… Agora, eu te pergunto: o que você está fazendo para isso? Qual a sua contribuição?”, comenta a doutora.

As atitudes frente às situações adversas do dia a dia, a maneira com que a família lida com um comportamento, castigo, críticas e até mesmo os elogios em excesso irão fortalecer ou enfraquecer as virtudes, qualidades e valores que os pais tanto almejam para os filhos.

Segundo Mariana, a disciplina positiva começa a ser aplicada desde os primeiros momentos de vida do bebê. Além disso, uma série de atitudes podem contribuir para que as famílias formem indivíduos mais livres, independentes, seguros e empáticos.

(Foto: Pexels)

Como aplicar a disciplina positiva no dia a dia?

Com algumas atitudes simples já é possível colocar a disciplina positiva em prática. Confira as dicas da Dra. Mariana:

  • Valide os sentimentos – “Eu sei que é difícil parar de brincar, mas é hora de dormir”.
  • Mostre compreensão – “Eu entendo que você prefere ficar brincando, mas agora é hora da tarefa”.
  • Forneça escolhas – “Você quer sobremesa, mas agora é hora de jantar. Você quer o copo de heróis ou o que brilha?”
  • Redirecione – “Você não quer tomar banho, mas não poderá dormir com os pés sujos. Vamos ver quem chega primeiro ao banheiro?”

Além desses pequenos gestos, a organização e divisão das tarefas da casa podem fazer toda a diferença para a autonomia das crianças.

Quadro de rotinas

Quanto mais a criança faz por si mesma, mais capaz e motivada ela se sente.

  • Façam juntos uma lista com as atividades diárias, desde o despertar até a hora de ir para a cama;
  • Colem figuras ou, se a criança preferir, a fotografe realizando as atividades, revele/imprima e cole no quadro ao lado do horário que a atividade precisa ser realizada;
  • Coloque o quadro de rotina em um local que a criança possa vê-lo várias vezes ao dia;
  • O quadro de rotina atuará como o “mestre” da criança;
  • Mude o seu posicionamento de ordenar à criança o que ela deverá fazer, ao invés disso, questione: “Qual a próxima tarefa?” e olhe no quadro.

Isso evitará muitos aborrecimentos!

(Foto: Minicientista)

Elogio x Encorajamento

“Eu estou muito orgulhosa que você tirou 10!”
“Eu estou orgulhoso que você arrumou os seus brinquedos!”
“Você é uma menina tão educada!”

Qual o problema dessas afirmações? Por mais que alguns pais aleguem que essas abordagens funcionam, a Dra. Mariana diz que elas podem causar problemas a longo prazo.

“Encare o elogio como o seu chocolate preferido. Acredito que você não comerá todos os dias, não é mesmo? Faça o mesmo com os elogios. Uma criança que é constantemente elogiada pode ficar ‘viciada’ em aprovação e dependente do que o outro vai pensar, ou seja, para ela, ela somente será aceita e amada quando for elogiada”, esclarece a profissional.

Encorajar a criança vai fazer com que ela desenvolva autoconfiança e autoestima. A criança vai se sentir satisfeita com o resultado que alcançou, não satisfeita porque agradou o outro.

  • Elogio – “Estou muito orgulhosa que você tirou 10!”
  • Encorajamento – “Você se esforçou. Foi muito merecido!”

Note que o elogio requer um trabalho com bons resultados, já o encorajamento evidencia o esforço.

(Foto: Pexels)

Não, não e não!

O “não” é uma das palavras que os pais mais usam com os filhos. No lugar de ficar repetindo isso diversas vezes, a fonoaudióloga sugere que eles digam o que desejam, mudando o foco da frase.

“Se o seu filho está riscando a mesa/parede, por exemplo, e você já falou ‘não’ muitas vezes, que tal tentar: ‘Vamos encontrar uma folha para desenhar?’. Ou se a sua filha está espalhando os brinquedos antes de dormir, que tal tentar: ‘vamos colocar os brinquedos nas caixas?'”, explica. 

Dessa forma, a atitude se torna menos desgastante para os pais e é até mais eficaz do que os “nãos” o tempo todo.

Pausa positiva (repense o castigo)

Segundo Mariana, uma das estratégias da disciplina positiva é a capacidade de lidar com os sentimentos. “Crie, com a criança, um local especial para que ela possa se acalmar – o ‘cantinho da calma’. Pode ser a almofada preferida, o gramado do quintal, o tapete da sala, o que ela preferir”, explica.

(Foto: Blog Mãe em Dia)

Nesse espaço, pais e filhos podem criar estratégias, como contar até 10 ou respirar fundo. Nos momentos em que a criança estiver agitada ou irritada, o “cantinho da calma” pode ser uma opção.

Não encare o ‘cantinho da calma’ como uma recompensa a um comportamento inadequado. Você está ensinando a lidar com os sentimentos, completa a fonoaudióloga. 

Reconhecimento e gratidão (estreitando laços)

Outra forma de aplicar a disciplina positiva é demonstrando reconhecimento e gratidão pelas atitudes dos pequenos.

“Notei que foi prestativo com o seu irmão. Tenho certeza que ele se sentiu muito bem com a sua ajuda!”
Obrigado por ter guardado os seus calçados.”

Evite mimar

Muitas pessoas acreditam que a disciplina positiva é sinônimo de mimar a criança, atendendo a todos os seus pedidos. Na verdade, é o contrário: os pais procuram desenvolver o senso de capacidade dos filhos para que possam ser mais autônomos e independentes.

A disciplina positiva tem a habilidade de ver no erro a capacidade de aprender. “Errou? Recomece. Dê o exemplo! Respeite, tenha empatia, ame, dialogue, seja firme e gentil”, finaliza a doutora.

“De onde tiramos a ideia absurda de que, para uma criança agir melhor, precisamos antes fazê-la se sentir pior?”Jane Nelsen, autora de livros sobre desenvolvimento infantil e ícone da disciplina positiva.

Compartilhe!
Carregar mais em Comportamento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Atleta bauruense quebra recorde mundial no Pole Sport e se classifica para o mundial

Aos 61 anos, a bauruense Lúcia Gaio coleciona medalhas e conquistas no Pole Sport. A mais …