No final de 2022, estreou Avatar 2, uma das obras mais aguardadas dos últimos anos. Demorei um pouco para escrever, mas acompanhar esse filme foi uma das experiências mais divertidas do ano passado. E neste momento que esse simples colunista vos escreve, o filme deve chegar na casa dos DOIS BILHÕES de dólares na bilheteria.

Com um visual deslumbrante e um CGI impressionante, Avatar: O Caminho da Água carrega consigo uma nova era do cinema. Apesar de uma história clichê, que já era algo que vem desde o primeiro filme. Aqui temos boas cenas de ação e com cenários belíssimos. Um pouco longo e cansativo em alguns momentos, mas ainda assim vale a experiência. Se puder, veja no cinema e em uma sala 3D.

Confesso que nunca fui um grande fã do cinema 3D (quem usa óculos, sabe a sofrência que é), mas são raros os filmes em que realmente vale a pena converter para o 3D. A experiência de Avatar (1 e 2) faz valer a pena.

Aliás, muitos estúdios “transformam” suas produções em filmes nesse formato, exatamente para cobrar mais caro e que por muitas vezes, não funciona.


Foto: Reprodução/20th Century Studios

Mas voltando ao universo de Avatar, o filme é deslumbrante, efeitos sensacionais, narrativa bem fluída, 3h10 de filme, mas nem parece. Tem que ser visto no cinema de preferência em salas especiais, IMAX, 4DX, MACRO. Uma pena que na região de Bauru não temos uma sala como IMAX, mas no geral as três redes que atuam na cidade são muito boas.

O roteiro ratifica algumas analogias do imperialismo militar, faz um paralelo sobre a dominação dos terráqueos, mas era necessário para o enredo. Aliás, começa exatamente no momento em que se finaliza o primeiro filme, exatamente do jeito que a gente já imaginava como seria.

Com a sinopse: Em Avatar: O Caminho da Água, sequência de Avatar (2009), após dez anos da primeira batalha de Pandora entre os Na’vi e os humanos, Jake Sully (Sam Worthington) vive pacificamente com sua família e sua tribo. Ele e Ney’tiri formaram uma família e estão fazendo de tudo para ficarem juntos, devido a problemas conjugais e papéis que cada um tem que exercer dentro da tribo. No entanto, eles devem sair de casa e explorar as regiões de Pandora, indo para o mar e fazendo pactos com outros Na’vi da região. Quando uma antiga ameaça ressurge, Jake deve travar uma guerra difícil contra os humanos novamente. Mesmo com dificuldade, Jake acaba fazendo novos aliados – alguns dos quais já vivem entre os Na’vi e outros com novos avatares.

Foto: Reprodução/20th Century Studios

Mesmo com uma guerra em curso, Jake e Ney’tiri terão que fazer de tudo para ficarem juntos e cuidar da família e de sua tribo. Do elenco original, estão de volta Sigourney Weaver, Stephen Lang, Giovanni Ribisi, Joel David Moore, CCH Pounder e Matt Gerald. O elenco também escalou Kate Winslet (parça de James Cameron). No papel de Ronal, a atriz faz sua segunda colaboração com Cameron depois de Titanic. Edie Falco, Brendan Cowell e Michelle Yeoh também aparecem no longa.

Outros nomes no elenco de Avatar são Edie Falco como General Ardmore, a responsável por manter os interesses da mineração, Oona Chaplin como uma personagem chamada Varang, Michelle Yeoh como Dra. Karina Mogue e, por fim, Jemaine Clement como o biólogo marinho Dr. Ian Garvin.

As filmagens de Avatar 2 começaram em 2017 na Califórnia. Cameron explicou que Avatar 2 já estava 100% completo, enquanto Avatar 3 começou a ser filmado na sequência e já apenas está perto do fim.

Vale lembrar que serão quatro sequências desde o primeiro, sendo produzidas ao mesmo tempo. ​As cenas foram desenvolvidas junto com a Sony, com um novo sistema inovador de captura para que as imagens fossem ainda mais reais e os menores movimentos e expressões dos atores fossem registrados.

Por isso que Avatar 2 foi filmado com métodos cinematográficos não convencionais que expandem ao máximo as técnicas de resolução e imersão 3D e efeitos visuais. As produções do tão esperado live-action tiveram início em fevereiro de 2019, ainda na Nova Zelândia, e duraram até novembro daquele ano. No entanto, com a interrupção para as férias, a retomada aconteceu somente em 2020. Com o começo da pandemia da Covid-19, a equipe foi forçada a permanecer em Los Angeles, aliás, a pandemia foi uma das responsáveis pelo atraso, o que é algo extremamente justificável.

Cameron bebe de suas maiores fontes e de toda a sua paixão pelo cinema para a construção de cada cena, de cada detalhe, para nos entregar a magia em forma de cinema. Obviamente a necessidade de desenvolver novas tecnologias para filmar cenas de captura de desempenho debaixo d’água, um feito nunca antes realizado, levou atrasos significativos para permitir que a equipe tivesse mais tempo para trabalhar na escrita, pré-produção e efeitos visuais.

Foto: Reprodução/20th Century Studios

Cameron planejava fazer algumas filmagens 11 quilômetros debaixo d’água no ‘Challenger Deep’, o ponto mais profundo da Fossa das Marianas e também o local mais profundo da Terra. A própria Sony construiu uma nova câmera chamada Câmera “Veneza”; a pedido de Cameron, que seria utilizada nas gravações de Avatar 2; e dos próximos.

Não é atoa que o filme custou muito para ser finalizado, e se espera que dê o retorno financeiro para o projeto continuar. Até a publicação deste texto, em menos de 14 dias em cartaz, o filme já tinha ultrapassado a marca do 1 bilhão. O que projeta um cenário favorável para o início de janeiro de 2023.

Porém, na edição parece que houveram muitos cortes e dá pra notar isso assistindo. A história é dividida em vários protagonistas, o que para muitas pessoas pode ser bacana e outras podem não curtir tanto. Mas com o fato de várias narrativas e desenvolvimentos deixaram o muito extremamente inchado, além de apresentar um novo povo.

No final das contas, a história do filme é bem boa, mas nada surpreendente. O que não deixa de ser algo relativamente negativo. Vale cada minuto, mas fica a dica de ir ao banheiro antes, ou evitar beber muita água antes do filme.

James Cameron

Nada mais justo que colocar James Cameron no hall dos principais diretores da atualidade, ou melhor, da história. Afinal o que ele sempre tenta em seus filmes é inovar através da tecnologia, buscando sempre o limite e projetando um novo marco para o futuro, sempre na ânsia de sempre produzir histórias novas, o que é algo louvável. Para alguns críticos, seu comportamento é visto com uma certa antipatia, mas a real é que ele busca sempre entregar algo novo.

Foto: Reprodução/20th Century Studios

Cameron é um cineasta, produtor e roteirista canadense. Seus filmes Titanic e Avatar foram as duas maiores bilheterias da história do cinema (apesar de Titanic perder algumas posições hoje). A primeira experiência como diretor de um longa foi com Piranhas II: Assassinas Voadoras (1981). Após se desentender com os produtores resolveu que a partir de então, só iria dirigir com roteiros próprios. Três
anos mais tarde estreou com “O Exterminador do Futuro” (1984), com um novato ator que mal conseguia falar em inglês chamado Arnold Schwarzenegger que deu vida ao cyborg Terminator.

O filme de custo reduzido, mas com vários efeitos especiais, teve como produtora Gale Anne Hurd que seria sua segunda esposa entre 1985 e 1989. O Exterminador foi um sucesso de público e crítica e recebeu diversos prêmios. Foi o primeiro a produzir e dirigir um filme com custo superior a US$100 milhões, com True Lies , em 1994, tendo o mesmo sucesso na casa dos US$200 milhões, com Titanic em 1997.

Avatar: O Caminho da Água é uma imersão a um universo criado recheado de inspirações de outras histórias, mas ao mesmo tempo, se você não for ao cinema e acompanhar vai parecer que você está perdendo algo. O famoso termo FOMO (Fear of Missing Out), sugiro pesquisarem sobre o assunto, é muito atual, principalmente nessa era de filmes, séries e streamings. No fim do dia, é uma história divertida, que aponta para um futuro da saga promissor e que cria uma expectativa para mais histórias. E confesso, estou ansioso para saber mais. Clichês à parte, a experiência de Avatar é algo que vale a pena.

Avatar: O Caminho da Água, 2022.
Veredito: 4/5
Onde assistir: nos cinemas
Duração: 3h 12m
Direção: James Cameron
Agregador no Rotten Tomatoes: 78%
Trailer Youtube

Confira mais textos do colunista: www.socialbauru.com.br/author/gabrielcandido/ 

Compartilhe!
  • Monstros do Cinema

    Nunca imaginei que Godzilla e Kong: O Novo Império seria o sucesso comercial e segue de lo…
  • Noturno do Bauru

    Noite. Esta página em branco aqui é um clarão. Lua. Luz potente. Único foco em meu quarto.…
  • Duna e o universo de Frank Herbert

    Com a estreia e sucesso de Duna: Parte 2, o universo criado por Frank Herbert finalmente a…
Carregar mais em Colunistas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Monstros do Cinema

Nunca imaginei que Godzilla e Kong: O Novo Império seria o sucesso comercial e segue de lo…