Olá, sou a Isa e esta é a minha quarta coluna para o Social Bauru. Por aqui você encontra temas relacionados à internet, às redes sociais digitais, aos memes e à algumas dicas simples e praticáveis no dia a dia, tanto para o lado profissional como pessoal. Confira a reflexão deste mês:

Quando tinha meus 15 ou 16 anos, não me lembro ao certo, o meu pai convidou eu e minha irmã para dar uma volta pela cidade que moramos (Agudos) e conhecer outras realidades, bem diferentes das que estávamos acostumadas. Na época, ele fazia parte dos Vicentinos e todo mês distribuía doações de alimentos, cobertores, roupas e etc nas famílias em situação de pobreza.

Andar por aquelas ruas tão simples e, muitas vezes, sem asfalto, compostas por casas humildes, feitas da maneira que aquelas pessoas iam conseguindo viver, me fez entender muito sobre empatia e respeito. Me fez entender também que não sou melhor que ninguém e não devo nunca ofender as pessoas por sua condição social, preciso sempre estender a mão.

Levei estes ensinamentos para a minha vida, principalmente quando estou na frente de um computador ou celular, abrindo uma rede social digital com múltiplas interpretações em ambientes que, infelizmente, estão sendo dominados por um ódio gratuito.

Cheguei com esta história até aqui, pois quero me referir aos recentes episódios xenofóbicos contra nossos irmãos nordestinos, que todos nós acompanhamos no Facebook, WhatsApp e Instagram após o primeiro turno das eleições, ocorridos no dia 07 de outubro.

É, eu não consegui superar isto, pois como comunicadora, especialista em marketing digital e, acima de tudo, humana, defendo o uso das redes sociais digitais para coisas que venham somar, contribuir, construir, fazer bem e, não, desprezar, diminuir, ofender e provocar inquietações desnecessárias.

O fato é que temos em tais redes a velocidade da informação, principalmente de notícias falsas, e as pessoas estão se fixando em um único propósito de “não sei bem o que é, mas se fala mal de quem eu não simpatizo, bora compartilhar”. É, já previa Black Mirror

Mas, queridas pessoas, lembrem-se sempre que fazer piadas, compartilhar coisas falsas e rir da situação dos outros e, mais ainda, sentir-se superior a qualquer pessoa só é prejudicial para a sua vida pessoal, profissional e digital.

Compartilhe e curta o bem! Faça coisas boas!

Gostou?

Mês que vem tem mais. Até lá!

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Isabela Gaspar
Carregar mais em Colunistas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Coluna Isadora Venturini: as reflexões de final de ano que todo mundo faz

Antes de qualquer coisa, quero agradecer a todos do meu Facebook que sugeriram sobre o que…