Compostagem é uma das maneiras de se reciclar o lixo orgânico, ou seja, todo o resíduo da casa que tem origem vegetal, pode ser compostado. Desde cascas, restos de comida fresca ou em  início de decomposição, até folhas. Além disso, itens domésticos de madeira natural sem verniz, como a escova de dentes com cabo de bambu e cerdas naturais, podem ir na composteira.

A compostagem é o processo de decomposição que os materiais orgânicos passam para retornar ao ciclo natural. Em vez de se jogar no lixo que será descartado em lixões, o material retorna de maneira saudável e sustentável à natureza.

Compostagem em casa com a ajuda das minhocas

A bauruense e bióloga Fernanda Ribeiro, conversou com a gente sobre a compostagem doméstica e de “quintal”. Uma composteira pode ser desde as caixinhas empilhadas, até a um mero buraco na terra do quintal, onde você deposita a matéria orgânica e espera ela se decompor.

Fernanda ainda comenta que, diferente do que as pessoas pensam, a composteira não precisa necessariamente ter minhocas. Basta fazer um buraco no chão do quintal ou até colocar os restinhos de comida nos pézinhos das plantas.

Fran, que trabalha na Praça Brasil Salgados de Bauru, lembra de sua infância. Ela cresceu vendo a mãe e avós jogando os restos de comida nas plantas: “Então isso pra mim é uma prática natural rotineira”, complementa a empresária.

Ela pratica a compostagem em sua casa: “eu coloco nos vasos ou num pedaço de terra que tenho no quintal”. E também na sua empresa, já que há resíduos orgânicos dos ingredientes como tomate, cebola, berinjela, pimentão, ovos e etc.

Porém, com o uso de milhões de minhoquinhas ajudando no processo, a compostagem tende a ser mais rápida.

Nas composteiras domésticas ou nas caixinhas de compostagem, geralmente, são utilizadas minhocas da espécie californiana, por serem maiores e comerem mais. Mas outras espécies também valem: “se você ver algumas lá no seu quintal, cavoca mais no fundo e coloca elas na sua composteira que ajuda também”, comenta a bióloga.

Contudo, o indicado é colocar apenas uma espécie de minhoca por composteira: “Pois se colocar essas de quintal que tendem a ser menores, junto com as californianas, as maiores tendem a comer as outras”, alerta Fernanda.

Como usar os resíduos orgânicos da composteira doméstica?

As composteiras domésticas são compostas por três caixas empilhadas, onde apenas a última fica sem terra e minhoca, que serve apenas para o depósito do chorume natural, aquele líquido que sai dos alimentos e do processo de compostagem.

O líquido natural pode ser usado nos jardins e plantas como adubo e fertilizante. Por ser rico e bastante concentrado, é preciso diluir em água, para então usar. É uma ótima forma de deixar as plantinhas saudáveis, sem o uso de produtos químicos.

Mais do que o chorume, a terra da composteira junto ao húmus (cocô de minhoca) é muito boa! Portanto, pode ser usada para plantar e preencher vasinhos de plantas que você já tenha em casa.

Como funciona a composteira? (Imagem: Manual Minhocário Fernanda Ribeiro e Fran)

Por que devemos fazer compostagem?

Em média, uma pessoa produz de 740 gramas a um quilo de resíduos sólidos por dia. E não precisa fazer muitas contas para entender que o lixo deveria ser algo que todos deveríamos pensar mais, antes de descartar.

Pois, se cada pessoa produz em média 870 gramas de lixo por dia, contando 343.937 mil pessoas morando em Bauru, segundo o último censo do IBGE, são quase 300 mil quilos de lixo gerados todo mês na cidade.

Na matéria sobre o movimento Lixo Zero, a Prof. Dra. Beatriz Antoniassi, da USC, que é coordenadora do Projeto de Extensão “Redução na Geração de Resíduos”, diz que de 48 a 50% do lixo, são resíduos orgânicos.

Uma das maneiras de reduzir estes resíduos é fazendo a compostagem doméstica. Como Fabiana Araújo, que mora em Bauru: “Eu sou vegetariana, então praticamente tudo que eu consumo pode ser usado na composteira”. Ela acredita que diminuiu cerca de ¾ do lixo que iria ao aterro municipal.

Fabi usa o biofertilizante para regar as plantas de sua casa. Além de usar a terra que é gerado da composteira para plantar hortaliças e temperos.

Compostagem na prática!

É possível encontrar composteiras prontas e lindas para comprar em sites brasileiros, são diversas cores, formatos e tamanhos. Portanto, se você mora sozinho em um apê ou em uma casa com toda a família, existe uma composteira ideal para a sua necessidade.

Fernanda conta que há vários tamanhos de caixas, desde as de 15 litros que são indicadas para até três pessoas, até: “pessoas que tem espaço, fazem um cercadinho, constroem tanques de concreto para compostagem e colocam minhocas para ajudar no ciclo”, comenta a bauruense.

Você também pode construir a sua própria composteira. Fernanda e Fran já realizaram, no total, quatro minicursos de minhocários, onde ensinam como construí-los e a mantê-los, além da importância da compostagem. “Quem quiser adotar essa prática, a nossa empresa (Praça Brasil) disponibiliza os baldes e temos também uma cartilha com orientações”, completa Fran.

Minhocurso ministrado por Fernanda Ribeiro, no Jardim Botânico. Apoio de Fran (Imagem: Acervo da Praça Brasil Salgados Bauru).

Fabiana também fez a própria composteira assistindo aos tutoriais na internet: “Foi ótimo e bem fácil! Só precisa de três baldes de plástico (do mesmo tamanho), uma torneirinha e uma furadeira. Geralmente padarias, pizzarias e pastelarias doam esses baldes, então o custo é mínimo”, comenta a estudante.

Fabiana também explica que decidiu não colocar minhocas por ser vegetariana e não querer usar os bichinhos desta maneira.

O que pode e o que não pode colocar na composteira?

Para manter a saúde da composteira e da comunidade de minhocas, algumas matérias orgânicas não podem ser colocadas na composteira. Veja na tabela abaixo o que entra e não entra na composteira e na lista indicada para “alimentos” das minhocas:

Tabela – Letícia Yoshimura
Tabela – Letícia Yoshimura

Também é bom evitar alimentos como: frutas cítricas, alimento cozidos, guardanapos e papéis engordurados ou com tintas, flores, ervas medicinais e aromáticas.

Porém, assim como tudo em excesso faz mal, grandes quantidades dos itens acima, podem fazer mal ao ciclo da composteira.

Reduzir o consumo = menos lixo

Claro que nem todos têm a habilidade, disposição, tempo e dinheiro, ou os três juntos, para fazer uma composteira. Entretanto, se você quer fazer parte de um movimento que ajuda a reduzir o lixo por meio da própria conscientização, basta fazer as seguintes reflexões:

  • Qual o tamanho do meu lixo?
  • As comidas estão estragando antes de serem consumidas e estou jogando muita coisa fora?
  • Se eu comprei a mais, o que dá para fazer para não desperdiçar?
  • É possível reutilizar casca de legumes e frutas em uma receita para não jogar fora?

Fazendo esses questionamentos você vai perceber que nem tudo que você comprou e descartou, era realmente necessário.

Uma boa ideia antes de encher o carrinho ou a cestinha do mercado é:

  1. Fazer uma lista e realmente segui-la! Nada de comprar a mais;
  2. Checar sempre a data de validade de certos alimentos dentro e fora da geladeira;
  3. Opte por comprar menos.

Conforme o tempo, você vai perceber que o seu consumo e o descarte destes materiais vai diminuir! E consequentemente, o seu bolso e o meio ambiente vão agradecer!

Fazendo um pouco de cada vez…

Fabiana começou a fazer a compostagem como forma de reduzir a quantidade de lixo que ela gerava. Agora, a prática é cotidiana e ela pretende continuar fazendo.

“É muito prazeroso notar que estou diminuindo o impacto negativo que causamos ao meio ambiente. Compostar ainda me impulsionou a plantar uma hortinha de temperos. Vai muito além de apenas separar seu lixo e dar um destino diferente para ele”, comenta Fabi.

A empresária Fran, também fala sobre os benefícios da compostagem: “Pra mim, a maior importância da compostagem é que você impede que esses resíduos, que podem ser transformados em um composto muito nutritivo para as plantas e para o solo, vão parar em aterros e acabem sendo um problema, finaliza a bauruense.

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Letícia Yoshimura
Carregar mais em Comportamento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Jovem bauruense cria própria marca de roupas agênero, que vestem homens e mulheres

A moda agênero é uma proposta que cada vez mais vem tomando as passarelas do mundo. O conc…