Você conhece aquele filme da Disney “Up: Altas Aventuras”? É uma animação de 2009 que conta a história de Fredricksen, um senhorzinho de 78 anos que tenta superar a morte de sua esposa realizando o sonho de infância que eles tinham. Mais conhecido como o filme da casa que voa com balões.

Ainda não entendeu o que estou querendo dizer? Calma, eu chego lá. No filme, existe um personagem muito marcante, o Russell, um menino que aparece na vida de Fredericksen quando estava em busca de uma medalha de mérito por ajudar um idoso. Russel era escoteiro.

E revendo esse filme pela centésima vez, fiquei me perguntando se o escotismo era realmente da forma como estava sendo retratado.

O escotismo

Acabei descobrindo que o escotismo é um movimento criado em 1907, lá na Inglaterra. A ideia é desenvolver os jogos por meio de um sistema de valores que prioriza a honra. Tudo isso por meio da prática do trabalho em equipe e da vida ao ar livre.

Dessa forma, os escoteiros crescem aprendendo exemplos de fraternidade, lealdade, companheirismo, altruísmo, responsabilidade, respeito e disciplina.

Uma das visões do escotismo, na atualidade, é ser o principal movimento educacional jovem do mundo, até 2023, com 100 milhões de jovens ativos.

O que escotismo fez por você?

Para entender melhor como o escotismo atua na vida dos participantes, conversamos com três escoteiras do Grupo Escoteiro Guia Lopes, aqui de Bauru. Elas contam os momentos marcantes no grupo e os aprendizados.

Anália Souza faz parte do grupo há 11 anos e entrou por estímulo do pai. Hoje ela continua participando do escotismo por gosto e por conta da sensação de liberdade para se expressar, além das maneiras de atuar como alguém melhor na sociedade.

Sobre as mudanças que o escotismo trouxe para sua vida, ela explica: “Pensando em como eu me vejo hoje, sinto uma facilidade muito maior para ter iniciativa quando é necessário e me organizar de diversas maneiras, além de conseguir trabalhar melhor em grupo.”

Maria Cecília Gatti também faz parte do Guia Lopes e está desde 2006. A inciativa de participar veio da mãe, que sempre teve interesse no escotismo. Segundo a bauruense “foi amor à primeira vista” e o movimento trouxe uma noção e definição de caráter e visão de mundo para sua vida.

escotismo
Fotógrafo: Francesco Rossi Lena

Aprendi, ao longo dos anos, como prestar atenção no meu próprio desenvolvimento, como colaborar para melhorar o mundo – começando pelo espaço ao meu redor – e a trabalhar em equipe”, comenta.

Anos de experiência

Por fim, Vivian da Silva Lopes está no Guia Lopes desde 1994! Ela já passou por todos os ramos e hoje atua como presidente do grupo. Hoje, ela acredita que o escotismo já faz parte de sua vida.

Toda a minha formação como pessoa eu devo ao Movimento Escoteiro. Graças ao escotismo eu perdi minha timidez, adquiri desenvoltura, aprendi a falar em público, conheci muitas pessoas diferentes, de inúmeros lugares do Brasil, fiz atividades em vários estados do país e fiz amigos de verdade. Mas acima de tudo, o Movimento Escoteiro trouxe a noção de responsabilidade para a minha vida, tanto a responsabilidade com o meu desenvolvimento quanto a responsabilidade para com o próximo. Todas as minhas atitudes refletem na vida de todo mundo e eu sou responsável por elas”, explica.

Por fim, Vivian afirma que o escotismo é um movimento feito pelos jovens e para os jovens. Deu vontade de colocar a roupinha do Russell de Up e participar dos escoteiros, né?

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Gabriela Gomes
Carregar mais em Comportamento

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

O Natal dos pequenos bauruenses pode ser mais feliz com a campanha Papai Noel dos Correios

Ainda é novembro, mas o espírito natalino já está entre nós. Decorações nas ruas, panetone…