Você já se apaixonou por um livro e, por conta da correria do dia a dia, acabou esquecendo-o na cabeceira? Ou, então, nunca nem chegou a gostar muito de literatura porque ainda tem pesadelos com a bibliografia obrigatória do colegial ou da faculdade? 

Eu mesma me encaixo nesse segundo caso, que após a quantidade sem fim de leitura obrigatória para o vestibular, fiquei alguns anos afastada dos livros. Porém, o final do ano já está aí e essa costuma ser a hora de planejar metas para o ano novo. O que acha de colocar um hábito saudável na listinha de metas? 

Até porque, mal não faz. Muito pelo contrário! A leitura estimula a criatividade, o senso crítico e pode até melhorar no funcionamento do cérebro. Além disso, também é capaz de nos entreter, fazer viajar, sorrir e chorar sem sair do lugar. Incrível, né? 

Ainda não se convenceu e precisa de mais um incentivo? Quatro bauruenses apaixonadas por livros dão algumas dicas para você adotar, de vez, os livros como melhores amigos!

1. Encontre seu estilo preferido

A bauruense Angélica Messias, de 26 anos, conta que começou a ler logo após assistir Harry Potter e o Prisioneiro de Azkaban. “Meu irmão mais velho sugeriu que eu lesse os livros, já que eu havia amado tanto os filmes. E assim nasceu um amor inabalável e imensurável pela leitura”, explica. 

Angélica hoje possui um Instagram literário @corteliterariaoficial, no qual posta textos e resenhas sobre livros que leu. Ela conta que o que a fez continuar neste mundo literário foi a possibilidade de moldar os mundos, cenários, personalidades a sua maneira. “Histórias compartilhadas por diversas pessoas mas que se tornam única para cada leitor! Isso fez com que eu me apaixonasse ainda mais pela leitura”.

Assim, sua dica para alguém que não costuma ler mas gostaria de adotar esse hábito é para, primeiro de tudo, encontrar o que gosta de ler. “Eu por exemplo amo romances e Fantasias. Já tentei me aventurar pelo gênero do Terror, mas estagnei na leitura. Então, assim que a pessoa souber qual gênero ama, ir devagarinho, conforme for pegando um gosto”, sugere Angélica.

2. Aproveite as redes sociais para conhecer mais 

A bauruense Aline Planellas, 34 anos, conta que até seus 13 anos não tinha muito o hábito de ler. Porém, assim como Angélica, a paixão pela leitura surgiu com o lançamento de Harry Potter, quando tinha 14 anos. “Fiquei completamente deslumbrada com o universo que a J.K. Rowling criou”. 

Porém, apesar de gostar, ainda não lia uma grande quantidade de obras. Foi apenas em 2016, ao ler “Como Eu era antes de Você” que a frequência de leitura aumentou e até resolveu ter sua própria biblioteca. Assim, hoje ela mantém a surpreendente média de 10 livros por mês. 

E, para quem está começando ela indica: “Buscar dicas no YouTube, baseado em seus gostos, ajuda muito, porque existe um leque muito grande de opções. Na minha opinião, quem diz não gostar de ler é porque ainda não encontrou o livro certo. Começar com HQ também é uma ótima alternativa”.

3. Participe de debates

Enquanto isso, a assistente administrativa Aline Cristine Pereira Zuim, nascida e residente em Bauru, conta que aprendeu a ler sozinha aos 4 anos. “Ia perguntando as letras para os meus pais e assim foi acontecendo”, relembra

Além disso, Aline explica que o que mais lhe despertou esse gosto foi a diversão de pegar um livro e conhecer mundos novos. “O livro faz a gente se empolgar, se emocionar e isso despertou demais para mim”, conta. 

Conforme crescia, seu gosto pela leitura aumentava, até que em umas férias de verão ela alcançou a marca de 11 livros lidos num mês. “Foi um recorde em minha vida. Li tudo que tinha em casa e queria mais”

Hoje, inclusive, Aline mantém um instagram que, apesar de pessoal, fala a maior parte do tempo sobre livros, o @alinecpz. 

Porém, apesar da grande quantidade de literatura que consumia, ela conta que foi apenas este ano que realmente se tornou uma leitora voraz. Isso, graças ao encontro com outras mulheres ávidas por leitura que uniram-se e fundaram, juntas, o clube do livro “Só mais um capítulo”. 

“Iniciamos em janeiro deste ano e, mensalmente, lemos um livro diferente e debatemos no último sábado, presencialmente. O fato de ler e conversar sobre a leitura estimula demais, nos tira do comodismo. Criamos um grupo de WhatsApp e conversamos sobre livros, lançamentos, desejados, lidos”. 

Por isso, sua dica para quem está procurando criar o hábito de ler mais é investir em leituras coletivas, sejam presenciais ou online.

4. Escolha um horário para se dedicar à leitura 

Aline ainda comenta que, mesmo com a correria da rotina, preocupa-se em manter uma frequência diária de leitura. “Não tem nenhum dia que eu fique sem ler. As pessoas perguntam como, com tantas atividades, eu consigo ler tantos livros e eu falo que é questão de prioridade. Por exemplo, eu poderia ficar horas assistindo tv ou fazendo outras coisas, e em vez disso eu coloco o livro no lugar, que é o que eu mais gosto”, explica. 

A bauruense Bianca Araújo mantém um Instagram literário chamado @zumbiliterario, no qual posta resenhas e comentários sobre suas leituras. Ela conta que começou a ler graças ao filme “Entrevista com o Vampiro”, inspirado em um livro. “Eu corri para a biblioteca municipal para encontrá-lo e devorei a história. Depois disso sempre estive grudada em alguma leitura”.

Bianca, no entanto, reconhece a importância da frequência de leitura, mas ressalta que cada um tem o seu tempo. “O mais importante é ler sem pressão, aproveitando a história. Leia no seu tempo, sem correria para terminar a obra. E se não estiver gostando, não tem problema, troque a leitura! Comece um novo livro, uma hora você encontrará uma obra que vai te conquistar, pode ter certeza. Assim, devagar, um passo de cada vez, você poderá incluir o hábito da leitura no seu dia a dia”, pontua. 

E a minha dica pessoal é fique longe do celular durante a leitura! O dispositivo fica suscetível às notificações que podem desconcentrar e atrapalhar o seu ritmo e foco.

Com todas essas sugestões e histórias inspiradoras, de quem se apaixonou por leitura, por que não considerar aquele livrinho esquecido na prateleira de casa e aproveitar o ano novo para adotar um novo hábito? 

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Paula Borim
Carregar mais em Cultura

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

O que os bauruenses precisam saber sobre a Declaração Universal dos Direitos Humanos, que completa 71 anos

O termo Direitos Humanos, ainda que conhecido por muitas pessoas, pode, muitas vezes, ter …