Se você já ficou na dúvida sobre o que fazer com um pedaço de isopor, como aqueles que acompanham alguns produtos, saiba que a melhor opção para o meio ambiente é enviar para reciclagem.

Atualmente, grande parte do isopor usado pelos moradores e empresas de Bauru é jogado em lixo comum e acaba em aterro sanitário. 

O problema é que enterrar esse material prejudica o ambiente, pois tem uma decomposição demorada. Além disso, ao se decompor, se transforma em micro plásticos que poluem o solo e lençóis freáticos que acabam contaminando animais e pessoas.

Por isso, a Associação de Catadores de Materiais Recicláveis de Bauru e Região (Ascam), buscando ampliar o descarte correto de isopor, lança uma campanha de conscientização sobre a arrecadação do material.

Campanha visa a conscientização

Segundo a presidente da Ascam, Gisele Moretti, informar e esclarecer sobre a reciclagem de isopor é uma das formas de sensibilizar os moradores a deixar o material nos Ecopontos e, com isso, aumentar a arrecadação.

A associação conta com 7 Ecopontos espalhados pela cidade para receber o material. Nesses locais de recolhimento, os catadores de recicláveis explicam sobre a reciclagem de isopor aos usuários. 

O objetivo é aumentar em 40% o beneficiamento do material, que é 100% reciclável.

Moradores podem destinar o isopor, de preferência sem restos de alimentos e óleo, para os Ecopontos:

– Ecoponto Antônio Eufrásio de Toledo – Rua Sorocabana, q. 2

– Ecoponto Mary Dota – Rua Américo Finazzi, q. 4

– Ecoponto Jardim Redentor/Geisel – Rua Noé Onofre Teixeira, q. 3

– Ecoponto Pousada I – Rua 41, q. 1

– Ecoponto Edson Francisco da Silva – Rua Dulce Duarte Carrijo, q. 4

– Ecoponto Parque Viaduto, Rua Bernardino de Campos, q. 28

– Ecoponto Engenheiro Octávio Rasi – Rua Manoel Lopes Neves, q. 1

Além disso, as redes sociais da entidade também têm divulgado materiais informativos sobre o assunto.

Descarte correto pelas empresas

Além dos moradores, a campanha também é direcionada para alertar empresas sobre o descarte correto do isopor. Todo material pode ser levado diretamente à sede da Ascam, na Av. Santa Beatriz, 6-16, ou à sede da Coopeco, na Avenida Santa Beatriz da Silva.

Em troca, receberão um certificado de beneficiamento do material, que pode ser usado para comprovar a implantação de política reversa ou documentar em relatórios ambientais.

É uma grande vantagem para a empresa fazer o encaminhamento do isopor, pois é um material que ocupa muito espaço e é altamente inflamável. Além disso, com o descarte correto, a empresa participa de um ciclo ambiental que traz resultados ao meio ambiente e aos catadores, pois se transforma em renda para uma centena de famílias”, explica Gisele.

O isopor vira moldura de quadro

Após o recolhimento, a Ascam envia o material para a Cooperativa Ecologicamente Correta de Materiais Recicláveis de Bauru (Coopeco). Lá, desde agosto, é usado um equipamento específico para reciclagem do isopor.

Após o processo na máquina, o isopor é transformado em massa plástica utilizada como insumo em indústrias de transformações, virando, por exemplo, rodapés e molduras usadas em quadros.

Para se ter uma ideia do resultado do beneficiamento, cada 30 bags (sacolas de acondicionamento de recicláveis com capacidade de 1.000 litros) de isopor se transformam em um volume suficiente para encher um bag”, explica Gisele.

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Raphael Bonini
Carregar mais em Geral

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Equipe de Aerodesign da Unesp-Bauru chega ao pódio em competição nacional

A equipe Canarinho Aerodesign, da Unesp-Bauru, foi criada em 2001 com o objetivo de planej…