Com uma transição entre a área de beleza, dívidas e uma carreira acadêmica, a história do Professor Dr. Anderson Cruz, de 47 anos, é uma montanha-russa. Começa em Ribeira do Pombal (BA), cidade distante quase 300 km de Salvador e mais de 2 mil km de Bauru.

Por lá, ele atuou como cabeleireiro. Aos poucos, aprofundou-se na área da beleza, trabalhando na gestão de salões e indústrias de cosméticos, e depois como instrutor em um instituto de formação profissionalizante.

“Foi nesse projeto educativo que vim transferido para Bauru”, conta Anderson, sobre o momento que deixou de ser funcionário para virar empresário. “Quando meu contrato foi encerrado, resolvi montar um salão de beleza e uma escola de cabeleireiros aqui na cidade”.

Trabalho de mentoria

Como dono de escola, ele teve dois momentos. Primeiro, registrou um rápido crescimento, chegando a 400 alunos em menos de um ano. Em um segundo, veio um obstáculo. “Por falta de conhecimento em processos de gestão, em nove meses, comecei a ficar endividado e a escola quebrou. Fiquei devendo cerca de R$500 mil e entrei em depressão”, conta.

Transição de carreira

Nesse momento de baixa, ele decidiu, em uma sexta-feira, que iria mudar de vida e se inscreveu na faculdade, em um curso de marketing. Foi o primeiro passo na área acadêmica e o início da nova carreira.

“Assim que entrei na graduação em 2009, fiz um plano: virar doutor em 10 anos. E realmente, dez anos depois, eu terminei o doutorado”, diz ele, que produziu uma tese sobre ‘Gestão do Conhecimento e Gestão Editorial’ na área de Educação Escolar.

Trabalho de mentoria

Nesse processo, abraçou de vez o mundo do conhecimento com graduação em pedagogia, especialização em didática do ensino superior e antropologia, e mestrado em ‘Informação e Conhecimento’, além de um trabalho com gestão pedagógica para uma empresa de Lençóis Paulista.

Foi nesse período também que atuou como revisor acadêmico em revistas científicas de diferentes universidades – incluindo a Unesp – até abrir a editora Ibero-Americana de Educação – EIAE. Por lá, atende mais de 3,5 mil professores de programas de pós-graduação de países da América do Sul, Portugal, Espanha, Angola e Moçambique.

Trabalho de mentoria

Para Anderson, foi uma trajetória apaixonante que o fez assumir a identidade de professor. “Quando decidi realmente entrar na vida acadêmica, eu quis ser o professor que eu nunca tive. Ser professor é estar próximo do aluno, entender o aluno e todo o cenário da vida dele para guiar a trajetória”, enfatiza.

Foto: Divulgação

Espiritualidade e inteligência emocional

Contar a história do Anderson Cruz antes de falar dos serviços de assessoria, mentoria e palestras não é à toa. É essencial para entender como funciona o trabalho que ele oferece.

A capacidade de usar a própria trajetória de desenvolvimento pessoal para planejar estratégias aos clientes é o diferencial. “Algo que decidi na vida é não ouvir conselhos de quem não tem frutos. O que isso significa? Escutar pessoas que, por exemplo, sabem o sofrimento de uma transição de carreira. E é isso que pretendo com minha mentoria”, comenta.

Outro ponto é que a reflexão sobre a própria trajetória o fez concluir que, para passar por essas etapas, foi necessário aprender e colocar em prática dois conceitos: a espiritualidade – pelos princípios inerentes às áreas da vida dos seres humanos – e inteligência emocional – a capacidade de lidar com as próprias emoções e os sentimentos nas relações.

O trabalho de mentoria

Esses dois conceitos são a base do serviço de assessoria personalizada e mentoria do Professor Anderson Cruz, voltado para qualquer pessoa em busca de desenvolvimento pessoal e profissional.

Por meio de um conjunto de seis a 12 sessões, o mentor começa traçando os objetivos por meio do método RDPAR (Reconhecer, Definir, Planejar, Agir e Resultados). Também faz um reconhecimento das qualidades e aplica a matriz SWOT em seis áreas da vida (espiritual, família, financeira, profissional, pessoal e relacionamentos).

Foto: Arquivo Pessoal

A partir dessas informações iniciais, é montado uma estrutura com planejamento de ações e definição de estratégias para, em seguida, ser feito um acompanhamento da evolução.

“São encontros, online ou presenciais, que duram uma hora com conversas e exercícios práticos. Além disso, eu faço um acompanhamento com relatórios e métricas personalizadas em cada sessão”, explica, demonstrando como o método é prático, aplicável e técnico.

O foco é gerar atitude

Durante a mentoria, um dos principais objetivos de Anderson é incentivar a atitude. O professor explica que atingir as metas e alcançar resultados exige passar por um processo no qual é necessário concluir etapas e sentir esse desenvolvimento na prática.

“Por exemplo, um vendedor quer ser gerente. Ele precisa entender que é uma jornada com diferentes passos e que cada passo exige a ação. Não é só bater metas de vendas, envolve também buscar conhecimento sobre liderança, fazer diferentes cursos, entender sobre gestão de pessoas, etc”, exemplifica.

Palestras e eventos

Além da mentoria, Anderson também oferece palestras e organiza o TheXP, evento de três dias para trabalhar a espiritualidade, inteligência emocional e desenvolvimento. Diferentes especialistas serão convidados para falar sobre estratégias e ferramentas para a expansão da mente.

“Não são apenas palestras, e sim uma experiência de imersão nessas temáticas”, diz. O evento deve acontecer em dezembro deste ano.

publieditorial

Serviço
Anderson Cruz
Site: linktr.ee/profandersoncruz
Contato: (14) 99776-1312
Instagram: @profandersoncruz

Compartilhe!
Carregar mais em Negócios

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Casal de Bauru profissionaliza o cuidado com assistência personalizada a idosos

Uma situação comum de todas as famílias é decidir quem vai cuidar dos idosos. Quando filho…