olivier-anquier-bauru6

Um dia: terça-feira. Um evento: lançamento da Nova Mesa, linha de carnes da Minerva Foods. Um convidado: Olivier Anquier. Uma pauta: entrevista com Olivier Anquier. Bom, até aí estava tudo normal. Isso mesmo, até aí. Depois de fazer a entrevista com o culinarista e apresentador do canal GNT, eu mal sabia o que me esperava!

O evento, que foi realizado em Bauru, reuniu proprietários de supermercados e a imprensa da cidade e região para lançar um novo conceito em carnes que promete surpreender o consumidor. Muito atencioso e cavalheiro como poucos, Olivier conversou com toda a imprensa que estava no local, minutos antes de preparar um jantar para todos os convidados. E era aí, que morava o perigo.

Logo ao começar o show, o apresentador perguntou quem, dos que estavam presentes, amava cozinhar. Muitas pessoas levantaram a mão. Em seguida, ele perguntou quem odiava a cozinha e para essa resposta, só eu levantei. Surpreso, ele perguntou: “você não cozinha nada mesmo?”. E eu respondi: “nadinha!”

Bom, o show continuou e ele disse minutos depois: “vou fazer agora uma carne, especialmente para vocês. Mas não vou fazer sozinho! Vou cozinhar com a ajuda da única pessoa que disse que não cozinha nada!”

Depois de ficar vermelha, em pânico, rezar para não tropeçar e agradecer a Deus pela oportunidade, eu subi ao palco, recebi o avental que ele usava e comecei a cozinhar. Quem me conhece sabe que eu nunca nem acendi um fósforo! Ter a oportunidade de cozinhar ao lado de umas das pessoas mais influentes no mundo da culinária, foi muito emocionante!

Às vezes, me pergunto por que escolhi essa profissão – uma carreira tão difícil e tão desgastante. Aí, acontecem momentos como esses, que são verdadeiras respostas e me mostram o porquê eu escolhi ser jornalista.

olivier-anquier-bauru1

A seguir você confere a entrevista (feita antes de todo esse episódio) com Olivier Anquier:

SB: Quando você decidiu trabalhar com culinária?
Olivier:
“Surgiu de uma forma repentina e nunca foi almejado como forma de vida. Cozinhar é uma realidade que existe na minha vida há algumas gerações. Na minha família, nós temos isso como uma filosofia, como a busca dos prazeres que a culinária pode proporcionar, de todas as suas formas. Todos os seus momentos. Eu e meus irmãos fomos educados dessa forma, envolvidos na cozinha, principalmente pelo meu pai. Aos domingos, ele sempre fazia aquele almoço especial. Claro que o trabalho de descascar as batatas era meu, né? (risos) A gente acordava 6h30 da manhã, ia à missa e depois, a gente ia até à feira, onde o meu pai fazia a compra para o almoço. Então, todos esses momentos representam momentos de emoções, momentos de prazer e essa filosofia impregnada em nós desde a infância ajudou muito a minha escolha. A realidade da minha vida também me colocou em contato com essa filosofia de transformar as pessoas e a si próprio. Aí, pouco a pouco, eu decidi. Foi mesmo por acaso! Mas para mim é muito lúdico e prazeroso, mais que um trabalho. Não considero profissão porque faço aquilo que eu gosto de fazer.

SB: Inclusive eu já li que você não gosta de ser chamado de chef. É por isso?
Olivier:
“Sim, é exatamente por isso. Eu nunca estudei nada, nunca frequentei uma faculdade para estudar culinária, gastronomia. A minha relação é de prazer. Eu gosto de conhecer e estar com as pessoas.”

SB: E como foi a sua vinda ao Brasil?
Olivier:
“Eu vim para cá passar um mês de férias e estou há 33 anos! Eu me apaixonei pelo brasileiro. Foi muito impactante o encontro com essa cultura. A maneira do brasileiro levar a vida bateu com o meu jeito de levar a minha. Foi justamente pela comunicação, o jeito que o brasileiro encara a vida e o alto-astral eu me fizeram perceber que, o que eu estava vivendo até então, não era o que eu queria para a minha vida. Faz 33 anos que eu fiz a minha vida!”

olivier-anquier-bauru2

SB: E dos nossos pratos, qual o que você mais gosta de cozinhar?
Olivier:
“O que eu mais gosto de cozinhar é o Baião de Dois. Esse prato é uma festa! Tem muito movimento, é muito atraente e fácil de fazer. É unanimidade de todos.”

SB: O que você pode adiantar sobre a nova temporada do Diário de Olivier, seu programa no GNT?
Olivier:
“O que eu posso contar é que a gente tem vizinhos muito bacanas! Eu viajei pela América Latina e a coisa mais impactante, além da culinária, foi a descoberta dos nossos vizinhos. Eu adorei! São povos, culturas e sociedades muito simpáticas! São muito diferentes dos brasileiros, mas muito agradáveis. Eu gostei muito e eu espero que o público consiga perceber isso também. Eu gosto das pessoas, dos encontros e eu consegui encontrar histórias muito interessantes!”

SB: E qual foi a mais inusitada?
Olivier:
“Ah, difícil saber… eu fui para 13 lugares! São 13 episódios, imagina o quanto de história que não tem!”

SB: E para algumas pessoas, cozinhar é como se fosse uma terapia. Você considera da mesma forma?
Olivier:
“Com certeza! Quando se tem prazer em algo que você faz, você é mais feliz!”

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Amanda Araújo
Carregar mais em Gastronomia
...

Verifique também

10 Pastéis chega em Bauru com três tipos de massas, sabores gourmets e opções a partir de R$ 7

Se você clicou e veio ler essa matéria, é porque gosta de pastel. Ou talvez ficou impressi…