Imagina fazer um procedimento de até três sessões para melhorar o corpo como um todo. Essa é a proposta da Microfisioterapia, técnica de terapia manual, desenvolvida na França em 1983. Após 17 anos de estudo, ela chegou no Brasil em 2004 e continua sendo aprimorada. O objetivo dessa técnica é tratar desordens do organismo, tanto físicos quanto somato emocionais, ou seja, sintomas emocionais refletidos no corpo, em apenas três sessões.

Ao todo, para um tratamento incial é feito em três sessões com intervalo mínimo de 30 dias entre elas. A Microfisioterapia tem esse nome porque a técnica consiste em movimentos delicados com toques sutis pelo corpo. Os toques seguem o mapa corporal, baseado na embriologia, ciência que estuda a formação do corpo humano. O procedimento funciona nos tecidos e, por meio da palpação, o profissional identifica os traumas que alteram o ritmo vital das células.

Mas você deve estar se perguntando se apenas três sessões são o suficiente, não é mesmo? Quem esclarece a dúvida é a fisioterapeuta de Bauru, Ana Carolina Barbosa Faria Gonçalves. “A questão de como vai melhorar depende muito do indivíduo, pois é uma técnica que estimula o auto-equilíbrio do indivíduo. Sendo assim, cada um responde de uma maneira e alguns pacientes nem precisam da terceira sessão. Geralmente, quem tem o sintoma há menos tempo, vai ter um resultado mais rápido, já as pessoas que estão com os sintomas há muito tempo, vão fazer as três sessões. Alguns pacientes observam uma melhora significativa após a primeira sessão, porém outros melhoram parcialmente, sendo importante continuar o tratamento para obter os resultados desejados”, explica.

A Microfisioterapia também pode ser realizada de forma preventiva, ou seja, mesmo que o paciente não tenha nenhum sintoma, ele pode passar pelo procedimento para fazer uma limpeza no organismo. Dessa forma, a Microfisioterapia também funciona prevenindo as possíveis pré-disposições provenientes de informações hereditárias como doenças de herança genética.

Para saber mais sobre a Microfisioterapia, confira o bate-papo com a fisioterapeuta Ana Carolina Barbosa Faria Gonçalves:

– Resumidamente, o que é a Microfisioterapia?

É uma técnica de terapia manual por meio de toques sutis no corpo. “Micro” caracteriza os movimentos delicados e, diferente do que se conhece da fisioterapia, é uma técnica com poucas sessões. Então o tratamento completo para a queixa inicial é de até três sessões, com intervalo mínimo de 30 dias entre elas. A quantidade de dias de intervalo depende da resposta do organismo à sessão, assim, a continuação do tratamento é informada apenas no final da sessão. Também, diferente do convencional, ela trata o corpo como um todo, pois um sintoma específico, é resultado de diversos fatores de desequilíbrio.  Se o paciente vem com uma queixa física, ele pode melhorar também o sono e reduzir a ansiedade, pois a dor física também está relacionada com outras questões.

Pela palpação, é possível identificar quais estruturas do corpo estão em desequilíbrio e localizar qual órgão está trabalhando mais ou menos e causando os sintomas. É como se fosse uma leitura em braile. Além disso, identifica-se a causa desse desequilíbrio, se foi uma questão emocional ou tóxica, ou ainda, um trauma físico, como tombo e pancada. Também é possível identificar quando essas agressões aconteceram: fase fetal, adolescência ou vida adulta.  Quando há o desconforto no organismo,  isso resulta de uma soma de causas, então o corpo guarda experiências durante a nossa vida e acumula como se fosse um reservatório. No momento em que estamos mais fragilizados, esse pote se abre e os sintomas ficam aflorados. 

Os traumas ou agressões vão alterar o ritmo vital das células, formando uma cicatriz tecidual e, pela palpação, eu identifico o tecido que está com menor movimento. Isso ocorre por meio dos mapas corporais que os franceses desenvolveram, em seguida, é realizado um estímulo palpatório específico para o organismo se reequilibrar. Então durante a sessão já é feito a avaliação e o tratamento.

– Qualquer pessoa pode fazer a Microfisioterapia?

Qualquer pessoa com qualquer tipo de desconforto. Do recém-nascido ao idoso, sem contraindicação, pois é uma técnica que não traz prejuízos ao paciente. Portanto, a Microfisioterapia é indicada para quem tem enxaqueca, insônia, depressão, ansiedade, alterações de aprendizagem e comportamento. Além de pré e pós-operatório cirúrgicos, alterações intestinais, uroginecológicas, dores físicas, pós-traumatismo físico, entre outros. A terapia também é indicada para gestantes que sentem os desconfortos da gravidez.

– O tratamento é eficaz mesmo com poucas sessões?

A resposta do tratamento varia muito de pessoa pra pessoa. Alguns pacientes vão realizar a primeira sessão e observar a melhora dos sintomas. Outros vão melhorar parcialmente, mas a melhora vai ser eficaz após a segunda ou terceira sessão. Por isso, é importante realizar o tratamento completo. Porém, em muitos casos, os pacientes tiveram alta com duas sessões.

Quando o paciente fez as três sessões e melhorou, eu recomendo retornar depois de um ano, para o tratamento preventivo, ou quando sentir necessidade. Caso, após o tratamento, o indivíduo sentir que passou por situações que causou o desequilíbrio do corpo, é recomendado iniciar outro tratamento.

– Pode fazer outros tratamentos em conjunto com a Microfisioterapia?

Pode e deve. A Microfisioterapia não vai substitui nada, mas ela vai ser um complemento de outros tratamentos que a pessoa já faz, como terapia com psicólogos ou com remédio. Eu já tive casos de indicação de cirurgia e com as correções da Microfisioterapia não foi necessário. As indicações para o tratamento são bem amplas e vão desde questões emocionais até dores físicas.

– Pra quem ainda não conhece, porque aderir à Micro?

Particularmente, eu conheci a técnica ao receber o tratamento, o que me motivou a realizar a formação, pois percebi que é uma ferramenta de tratamento da fisioterapia muito eficaz. A Micro auxilia, de forma muito nítida, a vida dos pacientes que me procuram, provocando grandes transformações e um aspecto amplo, contribuindo para a qualidade de vida.

Você fica encantado com a técnica ao sentir o quanto ela ajuda a diminuir os sintomas. Quando a gente tem dor e não consegue dormir, isso interfere na qualidade de vida e consequentemente nas nossas relações pessoais. Então a Microfisioterapia ajuda a reduzir esses sintomas e a lidar melhor com tudo de forma geral. Além das questões físicas, ela deixa o indivíduo mais equilibrado, dando condições para o corpo se reestruturar em todos os aspectos.

– O que espera trazer para os bauruenses com a Microfisioterapia?

É uma técnica que eu gosto muito, porque eu vi que as pessoas querem melhorar, tanto por questões emocionais quanto físicas. Esse processo, normalmente, é muito lento, por isso, há uma certa frustração nos tratamentos convencionais. A Micro traz o diferencial, porque ela consegue reequilibrar o organismo de uma forma mais rápida e duradoura.

Ela diminui o impacto de alguns diagnósticos que desestabilizam o paciente, ajudando-o a viver melhor com essa situação e a realizar os tratamentos propostos. Não podemos afirmar que todo mundo vai melhorar 100%, porque a técnica depende da resposta do organismo, mas a maioria, cerca de 90% das pessoas tratadas, ficam muito satisfeitas com os resultados. Como a Micro é um tratamento, enfatizo a importância de realizar as três sessões ou seguir as recomendações de alta que o profissional fizer.

Algo que levou anos para se instalar, não tem como tratar em um único dia.

publieditorial

Serviço
A fisioterapeuta com curso de Formação em Microfisioterapia, Ana Carolina Barbosa Faria Gonçalves, atende na Clínica Mobilidade (Avenida comendador José da Silva Martha, 22-20)
Telefone: (14) 99161-8345 (Whatsapp)
Facebook: Olympus Microfisioterapia Dra Ana Carolina Gonçalves
Instagram: @carol_microfisioterapia_bauru

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Juliana Oba
Carregar mais em Negócios

Verifique também

Feirão MRV acontece em Bauru nos dias 17 a 19 com vantagens para compra da casa própria

No primeiro semestre do ano, o comércio de imóveis moveu mais de 226 bilhões de reais. Em …