Você sabia que uma pesquisa divulgada pelo IBGE- a PNAD Contínua do 2° trimestre de 2018- mostrou que entre os jovens de 18 a 24 anos a taxa de desemprego é de 26,6%? Essa porcentagem é mais que o dobro da taxa geral, em termos de Brasil, que está em 12,4%.

Vinícius Pereira dos Santos, professor da graduação em Gestão de Recursos Humanos das Faculdades Integradas de Bauru (FIB) e especialista em Gestão empresarial, aponta dois fatores como os principais responsáveis para a dificuldade dos jovens se colocarem no mercado de trabalho.

“Acredito que isso tenha a ver com a capacitação para o trabalho e com a tecnologia. A capacitação ainda é o principal fator que dificulta a entrada no mercado de trabalho. Antes, os jovens com 22 anos, da geração X e Y, já estavam se formando na faculdade. Agora, muitos da geração millenials ainda nem começaram um curso”, avalia o especialista.

“A geração millenials são os ‘filhos da tecnologia’. Essa ampla tecnologia que apoiou o crescimento desse jovem, infelizmente, não proporcionou o mesmo desenvolvimento nas empresas. Isso faz com que empresas e jovens tenham dificuldades para se ajustarem. As empresas esperam um jovem que queira aprender, adquirir experiência sob a supervisão de alguém mais experimentado. Os jovens esperam um ambiente empresarial tecnológico, dinâmico e desafiador para que ele possa explorar e conquistar vitórias e reconhecimento rápido, mas oferecem ansiedade para conquista”, explica Vinicius.

Um outro estudo, divulgado agora em dezembro pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), revelou que 23% dos jovens brasileiros entre 15 e 24 anos não trabalham e nem estudam, popularmente conhecidos como a geração “nem-nem”. Os participantes da pesquisa mencionaram obstáculos como ensino de baixa qualidade, falta de capacitação e de experiência.

Vinícius Pereira dos Santos, professor da graduação em Gestão de Recursos Humanos das Faculdades Integradas de Bauru (FIB) dá dicas aos jovens

6 dicas para se dar bem no mercado de trabalho
Para os jovens que fazem parte do grupo que está em busca de um emprego, o professor de Recursos Humanos da FIB tem seis dicas de ouro:

-Conhecer a empresa. É importante que o jovem entenda que uma empresa é um organismo vivo formado por muitas outras pessoas e não um espaço pensado exclusivamente para recebê-lo. Cada empresa tem uma cultura própria, uma forma com que todas pessoas se relacionam e se comportam e que ele precisará se adequar ao grupo.

– Controlar a ansiedade. O jovem deve levar toda sua vontade de aprender e de contribuir para crescimento da empresa, mas é imprescindível que ele aceite que na empresa já existem outras pessoas aprendendo e contribuindo.

– Formação continuada. O aprendizado nunca termina, por isso, é importante estar sempre aberto para aprender coisas novas e estar disposto a procurar novas coisas para aprender. Aprender outros idiomas, fazer cursos complementares aos da graduação e outros diferentes. É importante para criar habilidades multidisciplinares e mostrar disposição para o novo.

– Excesso de tecnologia. Ela é boa, mas o excesso é prejudicial. Ficar recebendo alertas de mensagens e acessando redes sociais a toda hora pode comprometer a qualidade do seu trabalho. Guarde o celular e use-os durante os intervalos.

– Português. Parece engraçado, mas muitos jovens não sabem mais escrever o Português formal. Devido ao excesso de tecnologia tornou-se comum a abreviação de palavras e o uso de termos ou contrações em outros idiomas. Apesar do idioma também estar em transformação, nas empresas é importante o uso formal do idioma.

– Feedback. É importante saber receber o feedback, seja ele positivo ou negativo. Pedir feedback proporciona um grande destaque para quem pede, pois além de ajudar a saber seus pontos fortes e fracos, demonstra confiança e desejo de melhorar.

Nós também temos uma dica. O final do ano é uma boa oportunidade para tentar uma colocação. De acordo com o diretor jurídico da Associação Comercial e Industrial de Bauru (ACIB), Elion Pontechelle Júnior, a previsão é que o comércio da cidade abra 1.000 vagas temporárias nesse período. E os lojistas estão interessados justamente nos jovens com perfil dinâmico e comunicativo.

Recursos Humanos em Bauru
Um dos cursos mais procurados pelos brasileiros, a graduação em Gestão de Recursos Humanos é oferecida pela FIB e tem duração de dois anos. O profissional formado por este curso de nível superior estará preparado para atuar em qualquer nível de organização, seja pública ou privada.

Além da formação em pouco tempo, o curso da FIB oferece outros diferenciais como visitas técnicas às empresas, ensino contextualizado que tende a inserir o aluno no mercado de trabalho mais rápido e parcerias com instituições que oferecem estágios na área profissional.

A FIB está com inscrições abertas para o vestibular agendado em Gestão de Recursos Humanos e para outros 19 cursos.

O principal destaque do processo seletivo 2019 da FIB é oferecer aos candidatos a opção de um parcelamento de até 70% do valor da mensalidade. Neste caso, o aluno pagaria 30% do valor da mensalidade e os 70% restantes após o término do curso. O Parcelamento Estudantil FIB (PEF) é realizado diretamente na faculdade.

Além disso, disponibiliza bolsas pelo Programa Universidade Para Todos (Prouni), Programa Escola da Família e conta com o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

Outras informações sobre o vestibular da FIB estão disponíveis no site da instituição ou pelos telefones (14) 2109 62 06 ou (14) 9 99822-3829 (WhatsApp).

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Amanda Araújo
Carregar mais em Negócios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Bauru ganha restaurante com mais de 10 receitas exclusivas de churrasco no espeto

As noites em Bauru não serão mais as mesmas se depender do Poiá Espeto Gourmet. Diretament…