Meus amigos sempre falam o quanto é impressionante a autoestima que tenho. É claro que não são todos os dias que acordo, olho no espelho e penso “MEU DEUS QUE DEUSA É ESSA?” – lembrando que na maioria dos dias sim – mas acontece esses dias em que nos sentimos “feias”.

Sempre tento não deixar com que esses dias me afetem ao ponto de interferir naquilo que visto. Afinal, a roupa que usamos diz muito sobre nós e eu valorizo muito o ser que sou, então se eu deixar de usar uma roupa com medo do que os outros podem pensar, eu estarei deixando de ser, simplesmente, eu.

Porque estou falando disso? Uma menina que eu não conheço, mas que me segue no Instagram, me mandou uma mensagem por essa rede social e nela dizia: “amo seu estilo, queria que minha mãe me deixasse usar roupas assim, ela fala que não tenho corpo para isso”.

Bom, não estou aqui para questionar a relação de mãe e filha. Minha mãe também não gosta que eu use certas roupas, o que eu entendo, são mães querendo proteger suas filhas desse mundo tão perverso, obscuro e de dedos alheios que gostam de apontar e rir da nossa cara, do nosso corpo e de nós, mulheres que não estamos no padrão de acordo com os homens.

Sabemos que a nossa guerra pelos corpos perfeitos começa no início da nossa infância e não preciso expor todo o contexto histórico de como a mulher sofre em busca do corpo “perfeito”. Sabemos de cor e salteado como é essa história que não tem fim.

Sobre a menina (voltando à história), eu respondi “seu corpo é lindo, acho que você tem que usar aquilo que você gosta, você precisa conversar com sua mãe e expor para ela que não existe corpo certo para usar tal roupa. Existe corpo para usar o que quiser. Aquilo que você se sinta bem”.

E o engraçado dessa história que veio justamente após eu assistir o filme “Dumplin” da Netflix, que mostra justamente isso – para quem não assistiu, por favor, assista – o seu corpo é perfeito pelo simples fato de ser você nesse corpo. É difícil quando existem mulheres como Bruna Marquezine, Gio Ewbank, entre tantas outras, e a sociedade nos impõe que precisamos desses corpos para ser felizes, mas isso só será verdade se você vê como verdade.

Aproveita que o Carnaval está chegando, que os bloquinhos já começam nesse final de semana e coloque a roupa que você quiser! Coloque o body decotado, cavado, aberto nas costas, do jeito que você quiser. Use biquíni, top, saia, shorts, use o que você quiser, afinal, o corpo é seu e você usa o que você quiser.

E aqui vai uma dica valiosa nesse Carnaval e para toda sua vida: a pessoa que está te ofendendo, ela só está te ofendendo, porque provavelmente está passando pelo mesmo problema que você, não se encaixa em nenhum padrão exigido pela sociedade. Mas olha só que notícia boa, você pode mostrar a ela que você não precisa ser padrão para se encaixar em algum lugar, você só precisa ser você. São nossas imperfeições que nos fazem tão perfeitos.

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Isadora Venturini
Carregar mais em Colunistas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Coluna Isadora Venturini: Bem-vindos à minha história!

Quando decidi fazer terapia eu não fazia ideia do quanto eu  realmente precisava fazer ter…