Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o Brasil é o oitavo país com maior número de suicídios. Por isso, a campanha do Setembro Amarelo é fundamental para prevenir o suicídio e conscientizar sobre ações preventivas.

Foi pela fotografia que as bauruenses Livia Marinho e Akiko Oka acharam um meio de alertar as pessoas. Mesmo que profissionais em ramos diferentes, elas uniram as duas áreas de atuação, fotografia e maquiagem respectivamente, no trabalho “Imagens falam mais que mil palavras“.

Foto: Livia Marinho / Modelo e maquiadora: Akiko Oka

As fotos retratam uma manifestação emocional. Mais do que suicídio, o ensaio mostra esgotamento emocional ou afetivo que reflete em depressão, ansiedade, pânico, transtorno bipolar e outras doenças da mente que levam a considerar o suicídio.

Entre as maiores queixas de pacientes que vivenciam essa realidade está a de que amigos e familiares não entendem verdadeiramente a gravidade das situações. Portanto, o projeto visa transmitir visualmente a angústia e o sofrimento de quem luta contra todo e qualquer problema psicossomático. A ideia é mostrar, para quem não faz ideia, como é sentir na pele esse tipo de sofrimento.

Livia e Akiko contam que também já vivenciaram de perto a depressão e que suas dores pessoais também serviram para essas fotos de conscientização. “As pessoas não sabem que tem tratamento, entendem como fraqueza! Os números só aumentam e isso não é tratado como caso de saúde pública”, dizem as artistas.

Foto: Livia Marinho / Modelo e maquiadora: Akiko Oka

A inspiração para a estética das fotos veio do trabalho da fotógrafa americana Brooke Shaden e o ensaio foi realizado em uma parceria entre a fotógrafa Livia Marinho e a maquiadora/modelo Akiko Oka.

Confira o ensaio completo no link: https://bit.ly/2nTKb3B (AVISO: o post contém imagens sensíveis sobre suicídio).

Precisamos falar sobre suicídio

Segundo o psicólogo Ueslei Yoshi, “o suicídio é um fenômeno complexo, multifatorial e sem face que pode afetar qualquer indivíduo. Felizmente, há como preveni-lo e evitá-lo na maioria dos casos. Uma forma de prevenção é conversar sobre, por isso é importante que a população, de modo geral, busque informação e ajuda, principalmente com profissionais da área da saúde mental como Psiquiatras e Psicólogos.”

Foto: Livia Marinho / Modelo e maquiadora: Akiko Oka

O profissional ainda alerta que é possível identificar sinais de sofrimento. Entre eles estão: diminuição do autocuidado, isolamento social, mudanças bruscas de humor, abuso de drogas, desesperança, sentimento permanente de angústia, ansiedade, desespero, ideação suicida e verbalização de intenção de morte.

“Sendo assim, sempre que perceber que alguém está precisando de ajuda, tente ajudá-lo e orientá-lo a procurar um especialista”, recomenda Ueslei.

Onde buscar ajuda em Bauru

  • Centro de Valorização da Vida (CVV): Ligue 188 (ligação gratuita) ou acesse www.cvv.org.br (chat online e outras informações);
  • UNESP Bauru – Centro de Psicologia Aplicada (CPA): (14) 3103-6087
  • UNISAGRADO – Clínica de Psicologia: (14) 2107-7050 ou (14) 2107-7054
  • FIB – Clínica Escola de Psicologia Aplicada: (14) 2109-6233
  • UNIP – Clínica de Psicologia: (14) 3223-7710
  • Anhanguera – Clínica de Psicologia: (14) 3237-6793
  • CAPS: Rua Monsenhor Claro, 6-99, Centro. Fone: (014) 3227-5022;
  • Unidades Básicas de Saúde (Saúde da família, Postos e Centros de Saúde);
  • UPA 24h;
  • SAMU: disque 192;
  • Pronto Socorro e hospitais.

Consultoria: Psicólogo Ueslei Libanare Rodrigues Yoshii (CRP 06/154478)

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Juliana Oba
Carregar mais em Saúde e Esportes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Do diagnóstico ao tratamento: Tudo o que os bauruenses precisam saber sobre Alzheimer

Se você tem algum histórico de Alzheimer na família, mas não entende muito sobre o assunto…