Li esses dias, em algum Instagram de conteúdo que sigo, a seguinte frase (até colei para lembrar, rs): “Dos mesmos criadores de ‘Reuniões deveriam ter sido um e-mail’, vem aí ‘Lives que deveriam ter sido um story’”.

Resolvi abrir a coluna deste mês com essa reflexão e, também, como uma introdução para falarmos sobre este recurso que vem se tornando a mais nova “febre” entre empresas, cantores, famosos e anônimos. Aqui, vamos falar especificamente sobre as lives do Instagram, ok? (as lives de shows são assuntos para outra coluna).

Desde que a pandemia iniciou, muita coisa mudou em nossa rotina, inclusive o aumento do consumo por conteúdos na internet. E aí a live vem como um puta auxílio para dizer: “Olha, eu estou aqui” ou “Olha o que a minha marca sabe fazer”.

Mesmo sendo muito bom disseminar conteúdos por lá, seja de qual segmento for, é importante que você não se esqueça de algumas coisas, as quais listo abaixo.

7 dicas para fazer uma boa live

  1. Nunca entre ao vivo por entrar. Para você ser relevante, tenha um conteúdo a ser abordado;
  2. Faça um roteiro e abra para perguntas do público. Esteja preparado para responder as dúvidas e, caso não consiga, prometa um retorno;
  3. Trabalhe com assuntos de acordo com seu nicho. Por exemplo: se você tem uma loja de roupas, fale sobre moda, organização de guarda-roupa, etc;
  4. Evite estender muito a live e evite que o Instagram a derrube;
  5. Faça parcerias com especialistas para falar de determinado conteúdo. Isso endossa ainda mais a live e o interesse do público;
  6. Se você for professor/personal e for dar uma aula por meio da live, interaja com as pessoas e explique certinho o que está fazendo;
  7. Lembre-se sempre: uma boa live vai ser lembrada, assim como são as ações que fazemos no offline. Então, planeje tudo antes da sua execução.

E aí, você está preparado para entrar ao vivo?
Este mês eu fico por aqui.
Nos vemos no próximo!
Até.

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Isabela Gaspar
Carregar mais em Colunistas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

A cultura do cancelamento e nossas relações superficiais na internet

Você já deve ter ouvido falar ou praticado o chamado “cancelamento” pelas redes sociais, n…