Nesse início de 2023, a coluna faz um balanço do ano passado. Com um ano repleto de opções tanto no cinema, quanto para quem quer ficar em casa, achei que seria bacana fazer uma relação do que realmente valeu a pena e o que poderia ter sido melhor. Um ano que reuniu várias produções novas, continuações esperadas (outras não), novas franquias e remakes.

Tentei reunir aqui tudo o que eu consegui acompanhar, claro que humanamente é impossível assistir tudo. Mas tentei deixar aqui algumas percepções do que eu mais gostei e é claro, não gostei. Lembrando que nada descrito aqui é regra, são apenas opiniões e percepções de um pobre colunista que vos escreve. A ideia não é ficar papagaiando sobre técnicas e nem nada do tipo. É simplesmente entretenimento puro, seja blockbuster ou algo mais autoral.

Cinema: o que foi bom

● The Batman

Depois de anos de instabilidade no universo da DC nas mãos de Zack Snyder, a Warner decide reformular mais uma vez um dos personagens mais populares do universo de heróis. O Batman ganha uma nova versão pelas mãos do excelente Matt Reeves e interpretado por Robert Pattinson. O filme é excelente e feito com muito cuidado, trazendo uma visão mais detetive do personagem, uma continuação está prevista para os próximos anos. Não teve a bilheteria que merecia, mas provavelmente pode pintar em algumas premiações em 2023. Um dos melhores filmes do ano, sem dúvidas. Está na HBO Max.

● Avatar: Caminho da Água

13 anos depois, James Cameron volta para o universo da produção mais rentável da história do cinema. Apesar de uma história clichê, o filme brilha quando mantém o foco em apresentar um universo rico. Ao que tudo indica, vai passar dos 2 bilhões. Está nos cinemas.

● Top Gun: Maverick

O filme que era pra ter saído em 2021, mas que bom que foi adiado para 2022, pois eu acredito que ano passado ainda em pandemia eu não iria ao cinema. E isso faria muita diferença. Filmaço, cinema raiz pipocão com o Titio Cruise mostrando o porquê é um dos principais atores e produtores de sua geração. Está no Paramount Plus.

● Pinóquio por Guillermo del Toro

Outro filme que chegou meio que de surpresa em 2022. Com um ar autoral, essa versão do conto clássico do garoto de madeira deixa qualquer adaptação da Disney no chão. Falamos sobre ele aqui. Está na Netflix.

● Tudo em Todo Lugar ao Mesmo Tempo

Com uma mistura de ação, drama, comédia, mas ao mesmo tempo traz uma baita reflexão sobre a vida, emoções e escolhas. Foi o melhor filme de 2022. Falamos também sobre ele aqui. Ainda não está em nenhum catálogo, mas você pode alugar/comprar no Google Filmes, entre outros.

Algumas menções honrosas, filmes que foram muito legais de assistir, e acredito que valem o seu tempo.

● O Homem do Norte (Alugar/comprar);
● Predator: A Caçada (Star Plus);
● Argentina 1985 (Prime Video);
● Nada de Novo no Front (link) (Netflix);
● Medida Provisória (Globoplay);
● Não! Não Olhe (Alugar/comprar);
● Elvis (HBO Max).

Cinema: o que foi ruim

O Massacre da Serra Elétrica: O Retorno de Leatherface

O filme tem a promessa de ser uma continuação direta do clássico dos anos 70. Mas não consegue entregar nada. Trazem até a protagonista original de volta. Mas é tudo tão genérico e sem graça que não vale a pena. Está na Netflix.

Jurassic World Domínio

O filme que carregou a expectativa de ser a reunião da trilogia clássica com a atual, fechar a história que começou lá em 1993. Por fim, foi um dos piores da franquia, que tentou em vários momentos se grudar na nostalgia, mas não foi suficiente. Ainda não está em nenhum catálogo, mas você pode alugar/comprar no Google Filmes, entre outros.

Pinóquio

Dirigido pelo Robert Zemeckis e com Tom Hanks, o que tinha tudo para ser ótimo. Mas o filme é uma versão genérica da animação clássica. Não foi para os cinemas e passou batido no Disney Plus. Está no Disney Plus.

Adão Negro

Provavelmente o filme foi a principal causa da reformulação da DC na Warner, fracasso de público e nem o esforço do carismático The Rock salva o filme. Está no HBO Max.

Morbius

Na verdade, esse filme nem deveria estar aqui, afinal eu nem consegui suportar 10 minutos de filme. Ruim demais. Ideia ruim, e aplicação na prática foi pior ainda. Essa ideia de universo do Homem Aranha (sem o herói) da Sony é ruim demais. Morbius e Venom podem dar as mãos e irem para a lata de lixo. Está no HBO Max.

Menção desonrosa. Não foram tão ruins, mas foram bem abaixo do que se esperava.

● Animais Fantásticos: Os Segredos de Dumbledore (HBO Max);
● Lightyear (Disney Plus);
● Amsterdam (Star Plus);
● Blonde (Netflix);
● Uncharted: Fora do Mapa (HBO Max).

Séries: o que foi bom

● Better Call Saul (6ª temporada)

Sexta e última temporada, que começou para ser uma série prequel de Breaking Bad. Mas ganhou tanta força, que entregou uma história incrível com um final tão bom quanto (talvez até melhor) que a história original. Capitaneada por Vince Gilligan ao longo de seis temporadas. BCS é uma das melhores séries da atualidade. Está na Netflix.

● Ruptura (1ª temporada)

Surpresa do ano, a série da Apple TV+ faz uma analogia sobre o mundo corporativo. Com uma linguagem inovadora e atuações brilhantes. Ruptura é uma das melhores surpresas e no aguardo ansioso da próxima temporada. Está na Apple TV+.

● O Urso (1ª temporada)

Contando uma história relativamente simples, mostra o cotidiano de um restaurante pequeno que está cheio de dívidas. Personagens bons e motivações que chocam, mas ao mesmo tempo, emocionam. Vale muito a pena. Falamos sobre ele aqui. Está no Star Plus.

● Andor (1ª temporada)

Como que uma série de um personagem que apareceu em um filme que nem fazia parte da sequência principal (Rogue One,2016) poderia render algo que valesse tanto a pena. Andor é uma série adulta, que carrega consigo aquilo que o George Lucas tanto defendeu desde o lançamento do filme original. Falamos sobre ele aqui. Está no Disney Plus.

● The Sandman

O Universo de Neil Gaiman ganhou uma adaptação a altura de suas histórias. Com episódios épicos, atores e produção alinhados. Foi uma ótima entrega que poderia ter rendido mais, no caso, nas redes. Mas esse formato Netflix Binge-watch, que lança tudo de uma vez, por algumas vezes perde o hype muito rápido. Sandman é uma série que vale uma boa discussão. Super indico! Está na Netflix.

Menções honrosas:
● Stranger Things (4ª temporada) – Netflix;
● The Boys (3ª temporada) – Prime Video;
● A Casa do Dragão (1ª temporada) – HBO Max;
● O Senhor dos Anéis: Os Anéis de Poder (1ª temporada) – Prime Video;
● Pacificador (1ª temporada) – HBO Max.

Séries: o que foi ruim

● Euphoria (2ª temporada)

Depois da primeira temporada elogiada e recheada de prêmios, a expectativa para a segunda estava nas alturas. Mas infelizmente, alguns episódios e personagens ficaram de lado. Entregando uma temporada toda irregular e comprometendo a continuidade para as próximas. Não é à toa que algumas atrizes não renovaram e não retornam para a terceira temporada. Está na HBO Max.

● The Dropout (minissérie)

Com um elenco de bons atores, em especial a Amanda Seyfried. Conta a história que adapta o podcast de mesmo nome, conduzido pela jornalista Rebecca Jarvis, que por sua vez desvenda a história inacreditavelmente real de Holmes. Mas é chato demais, dormi por diversas vezes e não terminei. Está no Star Plus.

● Obi-Wan Kenobi (1ª temporada)

Para quem gosta de Star Wars, essa série era a maior expectativa de todo fã. Focada em um dos personagens mais amados da franquia e com a volta de Ewan McGregor. Mas no fim, entregou uma história fraca, pouco desenvolvida que perdeu a oportunidade de unir as franquias. No fim, algo descartável, provando que o material de Star Wars está meio perdido em qual caminho seguir. Está na Disney Plus.

● 1899 (1ª temporada/CANCELADA)

Dos mesmos criadores da aclamada série Dark, 1899 trouxe uma narrativa com vários mistérios. Criou expectativa, mas no decorrer dos episódios, foi piorando e desanimando, e entregou um final fraco. Está na Netflix.

Resident Evil (1ª temporada/CANCELADA)

Os fãs da franquia Resident Evil realmente sofrem, depois de uma questionável série de filmes da Milla Jovovich e um desastroso filme de 2021. A Netflix anunciou uma série exclusiva que trabalharia com o conceito da série de games. Porém, foi um desastre. A história, atores, tudo muito ruim e eu confesso que nem terminei, e nem precisei, a própria Netflix cancelou o projeto.

Menções desonrosas:
● Iluminadas (Apple TV+);
● All of Us Are Dead (Netflix).

True crimes

2022 foi um ano que massificou essa obsessão de séries e documentários focados em crimes reais. Alguns valem o destaques: Pacto Brutal: O Assassinato de Daniella Perez (HBO Max), Dahmer: Um Canibal Americano (Netflix) e Flordelis – Questiona ou Adora (Globoplay).

Categoria Marvel 

A maior produtora de conteúdo da atualidade, a Marvel Studios precisa de uma categoria própria. De filmes no cinema e séries. A Marvel entregou muito conteúdo em 2022. No geral foi bom, mas ficou a sensação de um certo cansaço no formato. Nada muito excepcional, mas tudo dentro da média. Todo esse catálogo está na Disney Plus.

Foi bom

● Doutor Estranho no Multiverso da Loucura

Um dos filmes mais autorais da Marvel, dirigido por Sam Raimi. Entregou uma história divertida. Só faltou a “Loucura” do título.

● Pantera Negra: Wakanda Para Sempre

Como dar continuidade em um filme que foi uma das maiores bilheterias e sucesso de crítica da história recente da Marvel. E no meio disso tudo o protagonista faleceu e você precisa continuar, junto com isso, você precisa inserir uma porrada de fatos que vão ser iniciados só lá na frente. No fim, é um ótimo filme, mas extremamente inchado e a bendita fórmula Marvel atrapalhou e muito.

● Ms. Marvel

Talvez o produto mais legal da Marvel esse ano. História divertida e com a inclusão de uma ótima personagem, resultando em um dos trabalhos de representatividades mais importantes na Marvel. Personagem que voltará no The Marvels. Poderia ter menos episódios, mas no geral, valeu a pena demais.

Foi fraco 

● Thor Amor e Trovão

A vaidade do Taika Waititi não me deixou terminar essa frase. É divertido como uma boa piada. Porém, quando se repete a mesma piada por diversas vezes, ela não tem mais graça.

Mulher-Hulk: Defensora de Heróis

Eu reconheço que essa série recebeu um hate desnecessário, principalmente porque ela deixa uma série de nerdolas bravinhos. Por um outro lado, uma história fraquinha de tudo e com um CGI péssimo. Aliás, essa série levantou uma série de polêmicas da Marvel com as empresas de efeitos especiais. Porém, valeu pela Tatiana Maslany que é incrível.

● Cavaleiro da Lua

Uma série que fugiu dos padrões da bendita fórmula Marvel, o que é sempre bem-vindo. Mas por um outro lado, foi uma série que eu confesso que esqueci que estava acompanhando. Simplesmente eu esquecia dos episódios quando saíam e acabei assistindo quase tudo de uma vez. E isso é um sinal de algo que não está me empolgando.

O que eu não vi em 22 mas quero ver 23

● X – A Marca da Morte | Pearl;
● Mulher Rei;
● Marte Um;
● RRR;
● White Lotus;
● Wandinha (talvez?!).

No geral, 2022 foi um baita ano com muita coisa legal no cinema e nos streamings. Poderia até citar mais, mas acho que esses foram os destaques para mim. Aceito sugestões de algo que ficou de fora e que venha 2023. Abraços!

Confira mais textos do colunista: www.socialbauru.com.br/author/gabrielcandido/ 

Compartilhe!
  • X-Men ’97

    Com elementos de nostalgia, a série animada passa por um processo de redescobrir o real si…
  • Planeta dos Macacos: O Reinado

    Novo filme renova a franquia e deixa um fôlego para o futuro Um filme despretensioso de 19…
  • Bauru de meu pai 

    Meu Deus, eu não consigo… Não. É impossível. É transcendental. É viagem. O sonho meu…
Carregar mais em Colunistas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

X-Men ’97

Com elementos de nostalgia, a série animada passa por um processo de redescobrir o real si…