E agora, Noroeste?

A peste chegou

a luz , alguém apagou,

o povo de novo surgiu

a noite chorou

e agora, Noroeste?

e agora, você, cadê?

você que tem nome,

que tomba com os outros,

você que faz inversos,

que ama até quem te detesta?

e agora, Noroeste?

Está sem colher

está sem percurso,

está sem seu ninho

já não se pode torcer

já não se pode gritar

Seu manto vestir já não pode,

a noite freou

o bom dia não veio,

o trem bala não veio,

o riso não, não leio

Só veio a utopia

e quase tudo acabou

e nada surgiu

e nada sobrou

e agora, Noroeste?

E agora, Noroeste?

Zeola não fez gol

Zé Carlos Coelho não treinou

Araújoooo ninguém gritou

Baroninho não sonhou

Amantini não financiou

Lela não se empolgou

Vitor Hugo não vibrou

Luiz Carlos Martins não escalou

Damião não ressuscitou

Celso Zinsly não voltou

Leonardo de Brito não tuítou

Se você voltasse

se você torcesse,

se você jogasse

Se você subisse

Se você me amasse

Mas você não vai

você é duro, Noroeste!

Sozinho e duro

qual bicho quebrado

Na pior agonia

Com as coisas na rua

Sem grana, sem apoio

Do trigo, é o joio

Sem estrada de ferro

Sem em ninguém dar golpe

você marcha, Noroeste

Noroeste, para onde?

Confira mais textos do colunista: www.socialbauru.com.br/author/professor-sinuhe

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Professor Sinuhe
Carregar mais em Colunistas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

O “eterno” e o “pra sempre” em algum momento chegam ao fim

Em qualquer relacionamento haverá um momento de chegada e outro de partida. Isto é fato no…