A atual pandemia da Covid-19 nos deixa muitas dúvidas, perguntas e medo. Mas, o principal é o medo da morte. Quanta gente, nesse período, já perdeu bens materiais, dinheiro, negócios, etc. Mas a pior perda é a de pessoas. Pessoas que amamos, outras que nem conhecemos e apenas fazem parte das estatísticas epidemiológicas diárias. Muitas se foram, não pela Covid, mas sim, por outras doenças. E mesmo sem ser pela Covid, todo o processo teve de ser restrito, com máscaras, álcool em gel e sem abraços.

O fato é que quando lidamos com a morte de perto esquecemos o inimigo invisível (corona). Você quer estar ao lado das pessoas que realmente ama, abraçar forte, dar carinho e receber.

Segundo o psicanalista Paulo Stucchi, apesar de temermos tanto a finitude pela morte, ela nos dá sentido. Ele diz que a morte é a “pena que embebemos em tinta para escrevermos nossa história de vida”. E cada um deixa seu legado conforme a vida que viveu!

A verdade é que a vida é um baile e muitas vezes nos dá um verdadeiro baile. A vida nos alegra, nos entristece, nos abraça, nos empurra… A vida nos envolve, nos acalenta, nos surpreende! De repente a vida vem e tira da gente quem mais amamos e, ao mesmo tempo, dá vida a outras vidas.

A vida nos amedronta e nos dá coragem. Ela fortalece nossa Fé e nos enfraquece espiritualmente… Tudo acontece ao mesmo tempo e muito rápido. Por isso, dance no baile da sua vida da melhor maneira possível… Use sua coreografia preferida, porque a vida é simples, rápida e passageira para todos. Ela não requer requinte e sofisticação. Ela apenas quer ser vivida de acordo com sua essência e valores de uma forma significativa.

A vida quer que você viva sem disfarces, bailando no salão da sua existência, escrevendo os melhores capítulos no livro da sua história, já que as lembranças são eternas e a saudade é permanente em busca de momentos vividos. Na verdade, a gente cresce na alma, mas sempre seremos frágeis no amor. Os anos desfilam na passarela do aprendizado e nós protagonistas da vida enfrentamos momentos adversos que nos fazem infelizes e outros em que nos deliciamos com a felicidade.

E assim é a vida: um grande baile onde almas se encontram, se esbarram, se unem e se separam. Por isso, viver é ser cada um em sua essência adquirida com todas as adversidades, com as lágrimas derramadas, com as conquistas e derrotas. Mas, acima de tudo, viver é o maior presente de DEUS e vem embrulhado em papéis de brilhos de momentos.

Leia mais textos da colunista: www.socialbauru.com.br/author/rosanapoli

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Rosana Poli
Carregar mais em Colunistas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Diversidade, chocotones e democracia

Eu sou um grande fã de Chocotones. Sério! Quando chega o calorzinho típico do oriente médi…