O serviço de Laudo Patológico serve para detectar e solucionar, da melhor forma, infiltrações, manchas em parede, rachaduras, goteiras e descascamento de tinta, que podem causar problemas a qualquer construção em residências ou comércio.

Estes problemas propiciam um ambiente ruim e nocivo para os seus usuários, além da desvalorização do imóvel no mercado.

Esse serviço é ofertado pelos estudantes de graduação dos cursos da UNESP de Bauru, a Pro Junior – Projetos e Consultoria em Engenharia.  A organização não tem fins lucrativos e eles realizam projetos de Engenharia Civil, Elétrica, Produção, Mecânica e Arquitetura.

O Laudo Patológico é uma ótima forma de prevenção contra os mosquitos transmissores de dengue, já que o laudo identifica possíveis pontos de água parada, que podem virar criadouros do mosquito da dengue.

Além disso, em apenas um serviço, é possível identificar e solucionar os problemas que, às vezes, passam despercebidos.

Conversamos com os estudantes Gabriel Dinis, Samuel Belato e Vinicius Rodrigues do curso de Engenharia Civil, e Bruna Mariana Faleiros, do curso de Relações Públicas. Eles fazem parte da Pro Jr e explicam mais sobre o laudo patológico. Confira na íntegra:

– Agora vocês estão oferecendo o serviço de Laudo Patológico, o que seria?

O Laudo Patológico é basicamente um estudo da “doença” da casa. Se ela apresentar fissuras por um motivo construtivo, ou se tá descolando a tinta.

A gente faz a visita na casa, analisa com um engenheiro formado que nos acompanha e depois fazemos um documento, explicando quais são as causas e porque gerou aquilo, com imagens ilustrativas.

Então a pessoa tem um documento formal, se ela quiser entrar na justiça, por ser um problema construtivo do engenheiro, ela pode.

Ou se quiser, levar em uma assembléia do prédio para poder comprovar, captar essa informação e mostrar para todo mundo que tem um problema construtivo e pode gerar um problema estrutural mais pra frente, seria esse documento que comprovaria.

E dentro do laudo, além de identificar o problema, a gente propõe a melhor solução com o melhor custo possível dentro da capacidade do cliente. A gente costuma dar mais de uma solução e qual a melhor opção dentro da intenção do cliente.

– Então os clientes passam um orçamento prévio para vocês?

Normalmente, a gente faz o projeto, descobre o que está acontecendo e o porquê. Depois pensamos em mais ou menos três opções de solução e o cliente vai escolher

Porque a gente não executa a obra, só realizamos todo o projeto e o cliente é quem vai contratar um pedreiro ou uma empresa para executar.

Descobrimos a origem do problema, analisamos e buscamos a melhor solução e oferecemos isso documentado ao cliente. Então, ele sabe tudo o que está acontecendo e qual a melhor forma para ele resolver.

– Vocês também ajudam a identificar focos de água parada, possíveis criadouros do mosquito da dengue?

Sim, dentro do laudo patológico é muito comum infiltrações, identificadas por uma mancha, bolor ou goteiras. E nas infiltrações podem ter o acúmulo de água que pode ser um criadouro de dengue e está tendo dentro da sua casa. Isso pode ser muito perigoso e acontece muito.

Então, a gente vai subir no telhado, olhar certinho o que está acontecendo junto com o engenheiro ou até um professor da UNESP para identificar o problema e ter soluções para eliminar o criadouro.

– É comum as pessoas não darem a devida atenção a infiltração?

Sim, normalmente as pessoas pensam que é falta de pintar. E a pessoa fica nesse ciclo, pintando e pintando, ao invés de solucionar o problema.

A infiltração é uma consequência de algum problema que teve na obra. Então, pode ter um problema estrutural de fissura, por onde entra água na casa. Isso vai gerar inúmeros problemas, pois não tem como prever o caminho que a água vai fazer. Então, pode acabar com a casa.

– Quais outros problemas que vocês podem identificar no laudo?

Além das infiltrações, identificamos rachaduras, fissuras, trincas, bolor, cores diferentes do que era para ser, descolamento da tinta ou concreto. Tudo o que acontece no edifício que não estava planejado.

– E quem pode solicitar os serviços de vocês?

No geral, qualquer pessoa que tenha ou more em algum lugar ou possua um imóvel próprio. Lojas, empresas, residências, prédios e qualquer tipo de construção que pode estar apresentando problema.

– É cobrado algum valor para a realização do projeto?

A empresa júnior é uma empresa sem fins lucrativo, então todo o dinheiro que entra por meio dos projetos é reinvestido nos próprios membros, com capacitações, treinamentos ou para a manutenção do funcionamento da empresa.

É cobrado um valor pelo projeto, mas valores dentro da capacidade do cliente e sempre buscando se adequar ao que ele consegue pagar, com a garantia de um serviço de qualidade em que todas as propostas são personalizadas.

A gente monta um projeto diferente de acordo com cada cliente, para alinhar as expectativas dele sobre o projeto. Tudo é diferenciado.

– Quais são os benefícios de se contratar a Pro Junior?

Além de estar nos ajudando a aplicar todos os nossos conhecimentos que aprendemos em sala de aula, o cliente vai ter um serviço realizado com o auxílio de professores e doutores da UNESP, com quem a gente tira as nossas dúvidas. Eles são engenheiros formados que trabalham conosco, como parceiros.

Além da nossa proposta de serviço que são experiências personalizadas. Então, sempre deixamos isso claro para tentar dar a solução mais viável ao cliente de forma mais personalizada, do jeito que ele quer. Esse projeto também uma forma de devolvermos, para a sociedade, tudo o que é investido em nós.

– Qual o diferencial da empresa?

Acredito que seja a multidisciplinaridade dos projetos. Por possuirmos diversas áreas dentro da empresa, um projeto inteiro passa por diferentes profissionais.

Por exemplo, ao construir uma casa, a arquitetura planeja, a engenharia civil e a engenharia elétrica calculam e a gente dá um projeto totalmente pronto.

Na parte comercial, oferecemos também o laudo e vistoria do corpo de bombeiro, que todo estabelecimento precisa para funcionar.

A relação com o cliente também, seja novo ou antigo, a gente tentar ser amigo do cliente. Queremos que ele sinta que está recebendo toda a atenção que merece e é possível.

– Qual o objetivo da Pro Junior?

A gente tem como missão ser referência em toda a região de Bauru. Ter esse impacto bom e positivo na sociedade e poder influenciar todo o nosso redor, tanto a sociedade, como as empresas.

Além disso, a gente busca desenvolver em nosso membros o conceito de liderança e de aprendizado a mais do que a faculdade oferece.

Então, quando alguém pensa em algum serviço de engenharia civil, mecânica, elétrica e arquitetura, que são os nosso escritórios, lembra da Pro Junior.

– Tem alguma outra empresa Junior na região de Bauru?

Nessas áreas não. Mas existem, dentro do campus da UNESP, mais oito empresas juniores que fazem diversos serviços de jornalismo, meteorologia e outros. De engenharia, somos os únicos de Bauru.

A nossa ideia principal também é consolidar a marca como empresa aqui em Bauru, não só como empresa junior mas sim, dentro do ramo de todas as empresas seniores também.

– Quantos integrantes a empresa tem atualmente?

46 membros, formados por nove cursos no total: quatro engenharias (elétrica, mecânica, civil e produção), arquitetura, relações públicas, jornalismo, design e rádio TV.

– Então cada curso trabalha em um projeto?

Exato, são cinco escritórios que realizam projetos. Além das áreas de comunicação, que são apenas para gestão da própria Pro Jr, não realizamos projeto de jornalismo ou coisa do tipo.

Alguns projeto são interligados, não tem muita separação. É bem comum ter casos que precisa fazer a parte hidráulica e acaba juntando civil e elétrica e assim vai.

– Vocês, como participantes, pretendem virar parceiros após se formarem?

Com certeza!

Mas, depende um pouco também, como os engenheiros trabalham conosco e vão nas vistorias, se fossemos virar parceiros teríamos que trabalhar aqui em Bauru. E, não são todos que participaram da empresa Junior que acabam virando parceiros.

A maioria de nós só mora aqui pelos estudos. Mas a ideia é essa, sermos parceiros.

E a experiência é muito grande!  Participar da formação de quase cinquenta pessoas em um projeto que está devolvendo algo para a sociedade e que não busca apenas ganhar dinheiro.

Então, além do viés estudantil, tem o viés social. É muito bacana.

Serviço:
Para mais informações ou solicitar o serviço da Pro Junior.
Telefone: (14) 3103-6463
E-mail: [email protected]
Facebook: www.facebook.com/projuniorbauru
Instagram: @projuniorbauru
Site: projr.com.br 

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Letícia Yoshimura
Carregar mais em Negócios

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Feira de economia criativa conta com 18 marcas bauruenses no Festival Blogando!

Entre os dias 18, 19 e 20 de outubro, acontece o Festival Blogando. Tradicional aqui em Ba…