Sentar com Márcio Rogério para falar sobre o bar fundado pelo pai é um convite a ouvir histórias sobre o Seo Afonso, o Brecha, como a primeira nota fiscal ou as apostas com os clientes em dia de jogo do Corinthians. “Teve época que ele brincava com minha mãe e dizia: ‘Se o Corinthians não ganhar essa, estamos perdidos’ (risos). E o time ganhava!”, conta o filho.

Além disso, é entender também o carinho e a admiração dele com o pai. O empresário recorda da abertura e evolução do local, da criação das receitas, das conversas do Brecha com os clientes e da dedicação do pai ao bar.

E é essa a proposta do Márcio para o Bar do Brecha, que completa 30 anos neste ano: continuar o legado de Seo Afonso. “O mais difícil, meus pais fizeram lá atrás. Escolher a marca, desbravar, aumentar os clientes. O esforço do trabalho para chegar aqui. Agora, nós fazemos o mais fácil que é administrar”, diz Márcio.

Para a data, as redes sociais terão artes especiais e um vídeo foi lançado. É um aniversário que serve como lembrança ao trabalho do Brecha. “Se hoje na cozinha temos cinco pessoas, na época dele eram duas. O homem era bom! Ele que pilotava tudo por aqui”, conta Márcio.

Há dois anos, por problemas de saúde, Seo Afonso teve que se afastar, embora ainda estivesse no dia a dia. Desde então, a equipe já preparava a transição, aumentando os colaboradores, ensinando as receitas e adquirindo um ritmo próprio, tudo acompanhado de perto pelo Brecha.

Agora, o objetivo é comandar o bar com o mesmo empenho do fundador.

Os 30 anos do Bar do Brecha

Fundado em 1990, o bar foi formado na experiência de Afonso Ferreira da Silva, o Brecha, no restaurante do sogro e no amor pelo esporte. O nome do local, que virou apelido, veio de um jogador de futebol, e o slogan ‘O bar que nunca fecha’ da época das reuniões do time que ele treinava após os jogos.

Na época, Seo Afonso trabalhava como motorista na Expresso de Prata, além de ter um táxi. Quando decidiu abrir o bar, em 26 de outubro, ele contou com a parceria da esposa para comandar o lugar. De lá para cá, a maior mudança foi a alteração de endereço para a atual esquina, que permitiu ampliar o espaço e abrir o pátio para colocar mais mesas. Nesse momento, ele chama o cunhado, garçom em um restaurante de Bauru, para ser sócio.

Portanto, a união da família está presente desde o primeiro dia. A cunhada, os filhos e os sobrinhos ajudavam o Brecha no dia a dia. Inclusive, Márcio lembra desses momentos na adolescência. “Eu vinha da escola para auxiliar meu pai. Mais comia do que ajudava, mas contribuía também! (risos) Todos os irmãos passaram um pouquinho ali, para fazer salgado ou para trazer os produtos para cá para fritar”, conta.

Funcionário desde 2012, Márcio assumiu a sociedade com o pai em 2016, após a saída do tio. A formação em administração o ajuda a comandar o bar. “Às vezes, as pessoas acham que tocar um bar é só comprar a bebida e pôr para gelar. Mas não é brincadeira. Então, eu comecei a vislumbrar isso quando eu cheguei aqui”, afirma o empresário.

O legado do Brecha

“O que ele deixou, nós não mudamos. Por exemplo, as receitas mais pedidas. Além disso, o jeito de atender, de tratar as pessoas. Não interessa se eu te conheço, eu te trato igual. Por isso, o público é bem misturado, e muita gente elogia. É legal isso aí, ver que a pessoa está à vontade. O ambiente é agradável”.

Nesta citação, Márcio resume como tenta manter o legado do pai. Além do esforço diário, o atual proprietário garante o atendimento pessoal para todos os clientes e mantém as porções tradicionais lançadas pelo Brecha.

Portanto, os pratos mais famosos continuam com a marca do Seo Afonso. A panceta e a porpeta, receitas do fundador, ainda são os carros-chefes do bar. “Tem todo um trabalho de limpeza da carne, e do resto que ele nos ensinou. Fatiar, temperar, depois fritar, depois fatiar de novo. Trabalhoso, mas fica ótimo no final”, conta Márcio.

O espetinho de frango e o frango à passarinho também são clássicos do bar. O cardápio conta ainda com porções como batata frita e torresmo, lanches, salgados, petiscos e pratos feitos.

Localizado na Rua Antônio dos Reis, o Bar do Brecha abre às 11h e vai até 23h (de acordo com o decreto municipal). Quem quiser também pode pedir os pratos pelo delivery, no telefone ou aplicativos, a partir das 9h30 até às 23h30.

Pensando no futuro

A importância de manter a tradição não significa deixar de trazer novidades. Fora a modernização dos registros de pedidos, que antes eram feitos no papel, Márcio Rogério também quer atualizar outras áreas.

Pratos novos foram adicionados ao cardápio. O bar agora faz parcerias com cozinhas de fora, que garantem exclusividade e enviam os pratos congelados para serem finalizados no local. Além disso, está nos planos incluir o ‘bolinho brechamel’, que concorreu ao Prêmio Impera no ano passado.

Outras mudanças acompanham as novas preferências dos clientes. Para atender quem não gosta de carne de porco, por exemplo, a opção é o filé de tilápia. “Nós escutamos muito os clientes. Se três ou quatro já começam a pedir algo diferente, prestamos atenção no que está acontecendo e planejamos as mudanças. Nós começamos a ter essa evolução”, comenta o empresário.

Além disso, o bar tem planos de expansão. A equipe estuda abrir uma filial dentro de Bauru, na zona sul da cidade, ou quem sabe até uma franquia. Por enquanto, o importante mesmo para Márcio é continuar o trabalho do Brecha por mais anos pela frente.

SERVIÇO
Bar do Brecha
Endereço: Rua Antonio dos Reis, 1-34. Bauru/SP.
Horário de funcionamento: Todos os dias, das 11h às 23h (presencialmente, seguindo decreto municipal). E das 9h30 às 23h30 (delivery).
Telefone: (14) 3234-7671 | (14) 3204-3770
Site: www.bardobrecha.com.br
Instagram: @bardobrecha
Facebook: /bardobrecha

Compartilhe!
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Raphael Bonini
Carregar mais em Gastronomia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Padaria B.lem chega em Bauru com mais de 30 receitas da culinária portuguesa

Ao nos receber para a entrevista, a primeira pergunta foi da Zaira Cazasola, dona da padar…