Assim como no final do ano passado, achei que seria interessante fazer um compilado do que eu mais gostei, seja no cinema ou nos streamings. Confesso que foi um ano que não acompanhei tanta coisa como deveria, mas o balanço final foi muito bom. 

Do declínio/ questionamento dos filmes de super heróis (alô Marvel e o fim do DCU), a uma onda do barbenheimer, 2023 conseguiu resgatar uma vontade de ir ao cinema que tinha se perdido antes da pandemia.

CINEMA: O QUE FOI BOM

  • Oppenheimer

Considerado o maior sucesso da carreira de Christopher Nolan, que desde A Origem ele não conseguiu emplacar um filme que ecoasse na cultura pop por tanto tempo. Desconsiderando a franquia Batman. Falamos dele aqui (link). 

Grande candidato às indicações ao Oscar 2024, o filme conta a história do físico J. Robert Oppenheimer que trabalhou com uma equipe de cientistas durante o Projeto Manhattan, levando ao desenvolvimento da bomba atômica. Hoje está apenas disponível para alugar no Google Filmes.

  • Barbie

“Hi Barbie”, de longe o maior case de sucesso comercial do ano que soube surfar em uma onda do hype. Que entregou num filme bem interessante questionamentos que muita gente não estava preparada. Um simples filme de boneca conseguiu impactar tanta gente.

Falamos dele aqui na coluna também (link). Com Margot Robbie e  Ryan Gosling, o filme dirigido por Greta Gerwig se tornou o produto mais rentável do cinema em 2023. Do sucesso de crítica e de público. Está disponível hoje na HBO Max.

  • Assassinos da Lua das Flores

2023 trouxe Martin Scorsese de volta aos cinemas, em grande estilo e com um dos seus melhores filmes. O filme conta a história dos assassinatos dados a partir de circunstâncias misteriosas na década de 1920, assolando os membros da tribo Osage, e acaba desencadeando uma grande investigação envolvendo o poderoso J. Edgar Hoover, considerado o primeiro diretor do FBI. 

Outro forte candidato para as premiações em 2024, falamos dele aqui (link). Hoje está apenas disponível para alugar no Google Filmes.

  • Homem-Aranha: Através do Aranhaverso

Segunda parte da saga de Miles Morales, mostra como a inovação da animação pode ser uma ótima escolha para o cinema. Misturando o multiverso (do jeito certo) o filme começa depois de se reunir com Gwen Stacy, Homem-Aranha é jogado no multiverso, onde ele encontra uma equipe encarregada de proteger sua própria existência. 

Filmaço que não vejo a hora da terceira e última parte dessa história. Está disponível hoje na HBO Max.

  • Super Mario Bros. O Filme

Sucesso de crítica e de bilheteria, a adaptação do maior personagem do mundo dos games, finalmente ganhou seu espaço nas salas de cinema, mas agora do jeito certo. Saudosistas vão lembrar do filme de 1994, sugiro você nem procurar..

Com uma animação relativamente simples, mas com uma história divertida e com atores carismáticos na dublagem original, o filme do Mário é de longe um dos maiores sucessos do ano. Falamos dele aqui (link). Hoje está apenas disponível para alugar no Google Filmes e Amazon.

Algumas menções honrosas, filmes que foram muito legais de assistir, e acredito que valem o seu tempo.

  • AIR: A História Por Trás do Logo | Link (Prime Video);
  • Missão: Impossível – Acerto De Contas Parte 1(Apenas para alugar);
  • A Morte do Demônio: A Ascensão (HBO Max);
  • John Wick 4: Baba Yaga (Prime Video);
  • Dungeons & Dragons: Honra Entre Rebeldes | Link (Telecine e Paramount Plus);
  • Retratos Fantasmas (Netflix).

CINEMA: O QUE FOI RUIM

  • Indiana Jones e o Chamado do Destino

Quem diria que uma das maiores franquias da história do cinema iria passar tão despercebida nos cinemas, como foi o novo Indiana Jones. 

Um filme que não consegue focar em uma história bacana, não atraiu um novo público e também não agradou os fãs mais velhos. Totalmente dispensável. Falamos aqui na coluna (link), está no Disney Plus.

  • Velozes e Furiosos 10

Mais um filme que comprova o desgaste da franquia, tenta forçar uma ligação com o filme do Rio de Janeiro, mas termina de um jeito anticlimático. 

Ainda bem que a história acaba no próximo. Apenas disponível para alugar no Google Filmes.

  • Elementos

Pixar no piloto automático. A animação é linda, trouxe uma história de amor, mas tudo parecia sem inspiração. Acho que não funcionou para as crianças e nem para os adultos., está no Disney Plus.

  • Besouro Azul, Shazam! Fúria dos Deuses e  The Flash

Praticamente tudo que DC lançou esse ano foi um fracasso. Me dói ter que admitir que o filme do Flash foi horrível, e olha que tentei gostar (link). Besouro e Shazam foram protocolares e acho que só foram lançados porque já estavam prontos. Em dezembro sai o Aquaman e finaliza (finalmente) o universo da DC, que você pode até ter gostado, mas vamos admitir que não rolou… Agora é torcer para o James Gunn reorganizar a casa e começar novamente.

Menção desonrosa (que eu achei que seria bacana):

  • O Exorcista: O Devoto;
  • Asteroid City (Wes Anderson ta de sacanagem);
  • A Freira 2;
  • Megatubarão 2;
  • Ghosted: Sem Resposta.

SÉRIES: O QUE FOI BOM

  • Treta

Na época pensei em escrever sobre ela, mas passou o tempo e literalmente ficou para trás. Mas é uma das melhores séries do ano, sem dúvida. Produzida pela A24 e licenciada pela Netflix, na série, os protagonistas estão em crise. Daniel (Steve Yeun) está à beira da falência e Amy (Ali Wong) é tão ocupada com o trabalho que tem dificuldade em lidar com a família. 

A junção dessas situações com a raiva sentida em uma simples briga de trânsito evolui para pensamentos obsessivos e situações desconcertantes. Está na Netflix. 

  • Os Outros

Série brasileira exclusiva do Globoplay retrata o cotidiano dentro de um condomínio na Barra da Tijuca. Atuações incríveis e o desenrolar vai te prender do início ao fim. Falamos dela aqui (link). Está no Globoplay

  • O Urso (2ª temporada)

Uma das melhores séries da atualidade, vai te deixar tenso, feliz, triste e emocionado. Tudo isso dentro de uma cozinha de um restaurante em Chicago. Falamos dela aqui (link). As duas temporadas estão no Star Plus.

  • Last of Us

Adaptação do sucesso de público e crítica a série conseguiu emular toda a sensação que o jogo de videogame causa. Era uma das minhas maiores expectativas, e consegui cumpri-las, mas com ressalvas. Falamos dela aqui (link). Está na HBO Max.

  • Cangaço Novo

Ninguém estava esperando e entregou tudo! Série brasileira que moderniza o movimento do cangaço. Com referências históricas e uma ótima história, a série é uma boa pedida para o fim de ano. Está no Prime Video

Menções honrosas:

  • Gen V

Spin-off da série The Boys, Gen V amplia o universo e novas condições. Mas só vale a pena se você acompanha a série original. Está no Prime Video.

  • Amor e Morte

True crime é uma fórmula bem básica de sucesso. A história é baseada no crime que aconteceu contra a mulher que era esposa de seu amante, Allan Gore, e chocou os Estados Unidos na década de 1980. Destaque para Elizabeth Olsen que está muito bem. Está no catálogo da HBO Max.

PODCASTS

Esse ano, tenho que destacar e indicar dois podcasts que foram duas grandes produções. E o melhor, as duas são nacionais, produzidas por pessoas do qual sou fã.

O primeiro deles é o projeto consolidado de Ivan Mizanzuk, “Projeto Humanos” , que utiliza dos recursos sonoros para contar histórias de crimes do passado. Seu maior destaque foi o “Caso Evandro” que ano passado se tornou documentário no globoplay. Este ano, saiu sobre um outro caso que é super importante, “O Caso Leandro Bossi”. São 8 episódios que você pode acompanhar nas plataformas de aúdio ou no próprio site: www.projetohumanos.com.br.

O outro é de longe uma das melhores produções do ano. França e o Labirinto é uma experiência incrível e única. Idealizada pelo Jovem Nerd (que aliás, esse que vos escreve é um fã absurdo) a série segue uma premissa muito parecida para quem já acompanha o trabalho deles nos podcasts de RPG. Com o foco na narrativa e interações, onde os áudios são todos sonorizados, seja na trilha e no ambiente, criando uma imersão extremamente divertida e diferente de tudo que a gente está acostumado. Falamos dela aqui (link). 

CATEGORIA MARVEL

2023 não foi um ano fácil para os amantes de filmes de super heróis. Muito se fala pelo desgaste do gênero. Mas provavelmente pela quantidade de materiais que foram produzidos. Está no cinema, no streaming e na TV. É muito conteúdo e o próprio público começou a perder o interesse. Mas tivemos algumas coisas interessantes no ano.

  • Homem-Formiga e a Vespa: Quantumania

Um caos generalizado, história ruim e desenvolvimento pior. Talvez um dos piores trabalhos da MARVEL, desde seu início em 2008. Massacrado pelo público, ainda conseguiu um bom dinheiro.

  • Guardiões da Galáxia: Volume 3

O último capítulo da saga dos heróis do espaço. Filme emocionante, uma bela despedida. História fechada dentro do seu universo, boa trilha e deixa um legado bem importante.

  • Invasão Secreta

De longe, o pior trabalho da MARVEL. A série da Disney Plus não soma em nada na saga e pior, toma decisões que são bem ruins e questionáveis. Foi piorando a cada episódio.

  • Loki – Temporada 2

Desfecho de um dos personagens mais importantes da saga. Apesar que tenho minhas ressalvas,a série fechou de forma satisfatória. Mas não deixará saudades. CHEGA DE LOKI! 

  • As Marvels

Projeto mais polêmico, recebeu uma onda negativa bem desnecessária, muito por uma cultura que vem se criando na internet de pessoas/ homens que se denominam por letras do alfabeto grego. Que destilaram um ódio desnecessário, por um outro lado. O filme é bem mediano.

  • What If…? – Temporada 2

Não vi, não deu tempo. Está estreando agora próximo do Natal. Não vale a pena.

O QUE EU NÃO VI EM 23 MAS QUERO VER EM 24

  • Monarch – Legado de Monstros
  • Beckham
  • Xuxa, o Documentário
  • Wonka
  • Aquaman 2: O Reino Perdido
  • Mussum;
  • The Crown – o final;
  • Succession – o final.

2023 foi um ano que assisti muito menos do que imaginava, porém me diverti muito mais do que queria. Achei que o saldo foi muito positivo. De uma nova onda nos cinemas que fugiu um pouco do universo de heróis, colocando outros protagonistas. Barbenheimer foi um dos momentos mais legais dos últimos anos. Muitas séries interessantes, novas temporadas e boas estreias, e finais que foram interessantes. 2024 será um ano bem esquisito, a greve dos roteiristas vai afetar e muito os lançamentos e produções. 

Mas o propósito de um bom filme, uma boa série são acima de tudo, boas experiências, seja acompanhado ou sozinho. Histórias que divertem, emocionam e até podem assustar. Mas as experiências são únicas. Bom 2024!

 

Compartilhe!
Carregar mais em Colunistas

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

Bauru às quinze para seis

— Oi.  (Ela está olhando para mim. Eu olho para ela também. São tantas coisas. Aqui, entre…